A CRÓNICA: APOIADOS EM ALFREDO QUINTANA, OS DRAGÕES MOSTRAM TODO O SEU PODER 

Jogo grande do andebol português no Dragão Arena com o FC Porto a receber o SL Benfica na 24.ª jornada do Campeonato Andebol 1, no qual Alfredo Quintana se destacou.

As duas equipas entravam para este jogo separadas por oito pontos, mas uma vitória poderia ser determinante para a classificação final desta 1.ª fase, mas também da fase final. Em caso de vitória portista, a vantagem sobre o adversário desta noite aumentaria para dez, uma diferença já considerável e difícil de anular. Por outro lado, um triunfo das águias diminuiria o fosso para apenas cinco pontos, e com o clássico da próxima jornada (Sporting CP – FC Porto), poderia mesmo passar para dois.

A partida começou e desde cedo se começaram a perceber as tendências que se mantiveram durante o encontro.

Com Alfredo Quintana na baliza, os dragões desde cedo criaram um fosso que o Benfica teve muita dificuldade em ultrapassar. Com vinte minutos jogados, a diferença firmava-se nos cinco golos (12-7), e as águias mostravam muita dificuldade em parar André Gomes (oito golos) e as combinações entre a primeira-linha azul e branca e os pivots que iam causando estragos na sua defesa.

Paulatinamente a diferença foi aumentando e, ao intervalo, o marcador assinalava 18-17 favorável ao conjunto da casa.

No segundo tempo, a toada manteve-se. Carlos Resende mudava de guarda-redes (saiu Miguel Espinha para a entrada de Borko Ristovski), mudava de sistema defensivo (5×1 para 6×0), mudava de sistema ofensivo (6×6 para 7×6), mas os campeões nacionais conseguiam lidar com todas as mudanças e iam aumentando a sua vantagem.

Com dezasseis (!) defesas, Quintana esteve imperial na baliza e com André Gomes a atravessar um dos melhores momentos da sua carreira, o FC Porto provou ser mais forte e conseguiu assim uma confortável vitória por 31-22 que lhe permite alcançar o Sporting CP na liderança do campeonato com 71 pontos. Já o SL Benfica mantém-se na terceira posição e tem agora uma tarefa muito complicada na luta pelo título.

A FIGURA

Alfredo Quintana – André Gomes poderia ter sido o escolhido, fruto dos seus oito golos e influência no jogo, mas com dezasseis defesas, Quintana foi imperial e levou à loucura os jogadores encarnados. Um muro aos seis metros, o guardião portista continua a mostrar todo o seu talento e conseguiu condicionar Petar Djordic a “apenas” cinco golos.

O FORA DE JOGO

Fonte: FAP

SL Benfica – Mais um jogo frente a um adversário direto e nova derrota pesada. Apesar da boa caminhada europeia, o Benfica parece ter muita dificuldade quando tem que enfrentar equipas mais fortes fisicamente. A força de jogadores como Daymaro Salina, Alexis Borges, Victor Iturriza ou Djibril Mbengue condicionaram bastante as penetrações aos seis metros, mas também as combinações exteriores que envolviam Djordic.

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

Apesar da ausência de Magnus Andersson (o treinador dos dragões não esteve presente por doença), esta equipa do FC Porto é uma máquina bem oleada. Graças ao seu núcleo duro que se mantém junto há vários anos, a sua defesa 6×0 consegue conciliar perfeitamente a força e porte físico, com velocidade de movimentos e agilidade suficiente para cobrir espaços ou fazer trocas. Já no ataque, e tal como o treinador do RK Vardar referiu esta semana, os azuis-e-brancos são das melhores equipas do mundo a atacar em 7×6, que causa muitas dificuldades aos seus adversários.

7 INICIAL E PONTUAÇÕES

Alfredo Quintana (9)

Diogo Branquinho (7)

André Gomes (9)

Rui Silva (7)

Djibril Mbengue (7)

António Areia (8)

Daymaro Salina (7)

SUBS UTILIZADOS

Miguel Martins (8)

Victor Iturriza (7)

Angel Zulueta (7)

Leonel Fernandes (7)

Alexis Borges (7)

Fábio Magalhães (7)

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

O SL Benfica tentou colocar em prática os mesmos princípios que têm resultado na EHF Cup. No entanto, este FC Porto encontra-se num nível competitivo muito elevado e as águias nunca encontraram resposta.

Com o seu 5×1 defensivo, Pedro Seabra Marques tentou afastar a primeira linha portista o mais possível da zona de decisão, forçando-os a jogar de forma mais individual. Contudo, André Gomes é exímio nessas situações e o resultado foram oito golos por parte do lateral que deu um recital no Dragão Arena.

7 INICIAL E PONTUAÇÕES

Miguel Espinha (6)

Carlos Martins (5)

Belone Moreira (6)

Pedro Seabra Marques (6)

Francisco Pereira (6)

João Pais (6)

Rene Toft Hansen (6)

SUBS UTILIZADOS

Petar Djordic (7)

Davide Carvalho (5)

Romé Hebo (5)

Kevynn Nyokas (6)

Paulo Moreno (6)

Ricardo Pesqueira (6)

Borko Ristovski (5)

Carlos Molina (6)

Fábio Vidrago (6)

Foto de Capa: FAP

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários