Cabeçalho modalidadesPassados sete meses da final do Euro 2016 (Viva o Éder!), França volta a estar no foco das atenções do mundo desportivo, ao receber o 25º Campeonato do Mundo de Andebol. Este vai realizar-se de 11 a 29 de janeiro – 18 dias de espetáculo garantido para os amantes do desporto. E para já, este Mundial tem algo que muito poucos tiveram: não há nenhum principal candidato ao título, à partida. Podemos falar da França, Alemanha, Dinamarca, Espanha, Croácia, etc…

E o espetáculo começou logo dia 10, quando o Arco do Triunfo se iluminou para dar as boas vindas a todos os participantes desta grande competição internacional. Mas o verdadeiro, e que realmente importa, espetáculo começou ontem por volta das 19h45 na Accorhotels Arena (onde se vai realizar a final dia 29). Estava lotada. Estava fenomenal. Estava tudo pronto para a festa do andebol!

França e Brasil abriram mais um mundial Fonte: France Handball 2017
França e Brasil abriram mais um mundial
Fonte: France Handball 2017

Vamos agora ao jogo em si: um completo atropelo por parte da França frente ao Brasil (31-16). Les Bleus começaram, logo no inicio do jogo, com uma defesa fortíssima, liderada pelo veterano Tierry Omeyer, impedindo os Sul-Americanos de finalizarem as suas situações de ataque. O ataque brasileiro não conseguiu arranjar a fórmula para desfazer o 6×0 francês e os gauleses aproveitaram os erros ofensivos para marcar vários golos em contra-ataque. Tierry Omeyer fez 14 defesas e Vicent Gerard nove. Valetin Porte marcou seis golos para os vencedores, enquanto Toledo marcou cinco para o Brasil.

Nota: Aproveito este espaço para lançar critica às televisões portuguesas: o Campeonato do Mundo vai ser transmitido para 178 países, alguns sem tradição alguma neste desporto. E cá em Portugal? Onde existem cerca de 20 mil praticantes da modalidade? Onde o Andebol é o segundo desporto com mais federados, não temos o direito de ver a competição onde se juntam os melhores do mundo?!

Foto de capa: France Handball 2017

Anúncio Publicitário

Artigo revisto por: Francisca Carvalho