A CRÓNICA: NUM DIA EM QUE SE PEDIA PERFEIÇÃO, OS HERÓIS DO MAR QUEBRARAM

Portugal e França encontraram-se na terceira e última jornada da Main Round da 27.ª edição do Campeonato do Mundo. Uma partida fulcral para as aspirações de ambos os países nesta competição, a seleção nacional portuguesa sabia que apenas um resultado lhe assegurava a passagem e mantinha o sonho das medalhas aberto: a vitória.

Ambas as equipas entraram com defesas 6:0. Com a vantagem física do lado francês, “Les Bleus” iam apostando nos remates de meia distância, enquanto que Portugal era obrigado a trabalhar mais para encontrar espaços para finalizar.

Numa partida em que tudo teria que ser perfeita, a seleção nacional mostrava alguma ansiedade no momento da decisão, tanto ofensiva, como defensivamente.

A defesa portuguesa, que normalmente se mostrava agressiva na saída ao portador da bola, demonstrava alguma passividade e preocupação com o pivot Ludovic Fabregas. Quem aproveitava era Dika Mem e Timothey N’Guessan, laterais franceses que tinham espaço para utilizar o seu potente remate.

Anúncio Publicitário

Portugal demonstrava alguma inconsistência, e apesar de se ter conseguido aproximar a espaços, permitia sempre que França se distanciasse, e tal forma que ao intervalo o marcador assinalava uma vantagem gaulesa de quatro golos, 12-16.

Pedia-se uma resposta forte na segunda parte, e por momentos parecia que tal ia acontecer, mas foi sol de pouca dura.

Portugal continuou a mostrar muita intranquilidade em todos os momentos do jogo e a França ia aproveitando. O azar bateu à porta lusa, e remates que anteriormente terminavam no fundo da baliza, começaram a bater com estrondo nos postes, o que permitia aos gauleses marcar em contra-ataques e ataques rápidos.

Até ao final assistimos a um jogo que apenas serviu para a seleção francesa se distanciar no marcador. Alexandre Cavalcanti ainda mostrou que é uma opção viável para o futuro, ao entrar e apontar três golos de belo efeito, mas assim terminou a caminhada lusa.

Portugal falhou o objetivo de atingir os oito melhores, e o sonho de chegar às medalhas, mas esta equipa mostrou que o andebol português tem muita qualidade, e o futuro será brilhante.

A FIGURA

Fonte: IHF

Hugo Descat (França) – O jogador do Montpellier aproveitou todas as oportunidades que lhe foram dadas para castigar Portugal. Utilizou várias vezes o seu forte remate e terminou como o melhor marcador do encontro com oito golos.

O FORA DE JOGO

Portugal – Depois de cinco jogos de alto nível, a seleção portuguesa mostrou muita intranquilidade de início ao fim em todos os seus setores. Tal como se lê na Lei de Murphy: Tudo o que podia correr mal, correu mal.

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTUGAL

Portugal entrou com o seu 6×0 característico, mas com alguma falta de agressividade ao portador da bola. Os defensores lusos ficaram muitas vezes “agarrados” ao atleta que tentavam defender, o que abria espaços para os rematadores franceses.

Ofensivamente, a seleção nacional mostrou uma grande falta de criatividade e, mais importante, eficácia.

SETE INICIAL E PONTUAÇÕES

Alfredo Quintana (6)

Diogo Branquinho (6)

Fábio Magalhães (6)

Rui Silva (5)

Belone Moreira (6)

Pedro Portela (6)

Alexis Borges (6)

SUBS UTILIZADOS E PONTUAÇÕES

André Gomes (6)

Gilberto Duarte (6)

António Areia (6)

Victor Iturriza (6)

João Ferraz (5)

Miguel Martins (6)

Alexandre Cavalcanti (6)

Daymaro Salina (5)

Humberto Gomes (6)

ANÁLISE TÁTICA – FRANÇA

A seleção francesa chegou a este jogo com a lição muito bem estudada, e tal foi visível durante toda a partida. Os jogadores franceses cobriram muito bem os pivots portugueses, e ficaram junto à linha dos seis metros, obrigando Portugal a rematar do exterior, o que provou ser muito difícil dada a desvantagem física existente.

Ofensivamente, França foi fiel aos seus princípios, aproveitando a velocidade e os seus fortes rematadores para castigar Portugal em cada ocasião.

SETE INICIAL E PONTUAÇÕES

Vincent Gerard (8)

Michael Guigou (7)

Timothey N’Guessan (8)

Luka Karabatic (6)

Ludovic Fabregas (7)

Dika Mem (8)

Luc Abalo (6)

 

SUBS UTILIZADOS E PONTUAÇÕES

Kentin Mahe (7)

Valentin Porte (7)

Nedim Remili (7)

Romain Lagarde (7)

Melvyn Richardson (8)

Hugo Descat (8)

Adrien Dipanda (7)

Foto de Capa: IHF

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome