Cabeçalho modalidadesJá a semana passada, na nossa publicação inaugural, falámos aqui dos Mundiais de Londres. Na altura demos destaque aos portugueses, mas hoje falaremos um pouco mais daquilo que podemos esperar a nível global dos campeonatos que se iniciam já hoje e que durarão exactos 10 dias.

Antes de mais, público. Serão os campeonatos mundiais com maior público da história (e com bilhetes mais caros, diga-se) o que é sintomático da relação que a Grã-Bretanha tem com o Atletismo. Cerca de 700.000 bilhetes estão vendidos e as sessões noturnas estão todas praticamente esgotadas com bilhetes a variar entre as 45 e as 155 libras esterlinas. Isto falando do preço de venda ao público, não falaremos das vendas paralelas. A comunhão existente nos Jogos Olímpicos estará mais uma vez presente e certamente que Londres estará à altura dos acontecimentos e deixará atletas, treinadores e espectadores a salivar por mais.

De seguida, pode-se esperar despedidas emotivas. Mo Farah (GBR) o atleta da casa e verdadeiro herói nacional (é já Sir!) irá deixar as pistas no final desta temporada, virando-se para as provas de estrada (a idade não perdoa…) e quererá certamente despedir-se em casa dando aos adeptos aquilo que todos esperam: mais dois Ouros mundiais nas suas provas de eleição, os 5.000 e os 10.000 metros.

O jamaicano é o único bicampeão nas categorias de velocidade nos JO Fonte: businessinsider
Fonte: businessinsider

Mas claro que não é apenas de Farah que se falará quando se falar de despedidas. O mundo certamente irá centrar as suas atenções na despedida de Usain Bolt do Atletismo. O maior sprinter de toda a história, o atleta mais rápido de sempre fará em Londres a sua despedida, correndo apenas os 100 metros e as estafetas 4×100. Desta vez, preferiu não correr a sua distância preferida, os 200 metros, e bem na nossa opinião. Muita emoção é o que se espera na final dos 100 metros já este sábado à noite, naquela que será a última prova individual de Usain Bolt. O astro jamaicano não tem feito uma época excepcional (aliás, tem sido a pior desde que atingiu o estrelato), mas sabemos como o mesmo responde em grandes eventos e não podemos deixar de o apontar como favorito, apesar da concorrência de nomes como Yohan Blake, Justin Gatlin ou Christian Coleman. De Grasse, que poderia ser também uma ameaça, falhará os campeonatos por lesão.

E recordam-se que dissemos que achávamos bem Bolt abdicar dos 200 metros? Pois bem, a razão é que Bolt espera vencer e acabar em grande em Londres e nos 200 vai estar um monstro: Wayde Van Niekerk arrebatou o mundo ao bater o recorde mundial dos 400 metros que durava há mais de 17 anos e este ano espera conquistar o Ouro nos 400 e…nos 200!

Comentários

1
2
Artigo anteriorSupertaça Cândido de Oliveira: Regressa a emoção, de taça na mão
Próximo artigoSortes distintas na Europa
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.