Anterior3 de 3Próximo

RICKETTS NA NATA DA ELITE E ECHEVARRÍA JÁ VOA

Nos saltos de hoje, os grandes destaques vieram dos saltos horizontais, que nos deram excelentes marcas.

Na primeira prova do dia – bem antes da transmissão televisiva e ainda com pouco público, o que não faz sentido – o Triplo Salto feminino tinha a presença da portuguesa Patrícia Mamona. Mamona sabia que a vitória não era um dos seus objetivos hoje: além de um field muito forte, vinha de lesão e este meeting é mais uma etapa na sua preparação para Doha. Não correu mal. 14.24 metros foi o seu melhor salto (apenas dois válidos) e um 6º lugar numa prova que contava com a maioria dos principais nomes da disciplina, incluindo a campeã mundial e líder mundial, a venezuelana Yulimar Rojas.

Pois Rojas era superfavorita, mas esses também caem…a venezuelana até passou para a frente do concurso no último ensaio, com um salto de 14.74 metros, mas na última possibilidade, Shanieka Ricketts, da Jamaica, mostrou que, não só está em grande forma (nos últimos 6 meetings, o “pior” foi a 14.65!), como consegue responder muito bem em momentos de tensão, saltando a 14.93 metros, um enorme recorde pessoal. O triplo feminino está bem e recomenda-se.

Anúncio Publicitário

Na prova do Comprimento masculino, todo o destaque vai para Juan Miguel Echevarría. O jovem cubano, que voltou aos grandes saltos, fez logo no primeiro ensaio 8.65 metros, um novo recorde do meeting e novo recorde da Diamond League, além de ser a melhor marca do ano, a apenas 3cm do seu recorde pessoal (com vento legal). O campeão mundial, o sul-africano Luvo Manyonga, parece continuar a ter dificuldades em encontrar a sua melhor forma em 2019, ao ficar-se hoje pelos 8.19 metros, na 4ª posição.

Echevarría parece mais do que pronto para Doha
Fonte: IAAF

Já nos saltos verticais, o Salto em Altura trouxe-nos mais um vencedor surpresa, um hábito nesta temporada que tem sido fraca para os padrões de elite. O ucraniano Andriy Protsenko venceu com um salto de 2.32 metros, numa prova em que Mutaz Essa Barshim regressou, mas voltando a mostrar muitas dificuldades, ao não passar com a fasquia a 2.24, ficando-se pelos 2.20 metros na 10ª posição.

Tivemos ainda um concurso de Salto com Vara masculino, que muito prometia tal a qualidade dos atletas presentes. Apesar da marca vencedora ter sido boa e conseguida na última tentativa possível – 5.93m de Sam Kendricks – podemos dizer que esperávamos mais do elenco presente em Zurique. Armand Duplantis e Piotr Lisek ficaram-se pelos 5.83m e Renaud Lavillenie pelos 5.73m. Queremos mais em Doha!

O DOMÍNIMO DAS CHINESAS MANTÉM-SE, O DOS ALEMÃES… NEM POR ISSO

Gong teve uma das performances da noite
Fonte: IAAF

No Lançamento do Peso, (mais uma) grande prova de Lijiao Gong, a campeã mundial, com os três melhores lançamentos da noite, o melhor a 20.31m, nova marca líder mundial. A norte-americana Chase Ealey, na 2ª posição, bateu a sua melhor marca pessoal, com 19.68m. Já no Dardo, sem surpresas, Lyu Huihui voltou a não dar hipóteses, com um lançamento a 66.88 metros a ser suficiente para conquistar o Diamante. A chinesa venceu as últimas 12 provas que disputou este ano.

Por último, no Dardo masculino, um evento que até há bem pouco tempo era totalmente dominado por 3 alemães, parece agora mais aberto do que nunca. Os principais alemães ficaram-se pelo 3º (Hofmann), 5º (Vetter) e 7º (Rohler) lugares, sem se conseguirem aproximar dos únicos que passaram dos 89 metros. Chao-Tsun Cheng liderou desde o primeiro lançamento, com uma marca de 89.05 metros, mas já no final, na última oportunidade, Magnus Kirt, da Estónia, conseguiu “roubar” o diamante, com uma “pedrada” a 89.13, apenas 7cm acima de Cheng.

Na próxima sexta-feira, dia 6 de setembro, teremos as restantes 16 finais da Diamond League, em Bruxelas, onde teremos presença portuguesa no Triplo, com a participação de Pedro Pablo Pichardo e Nelson Évora.

Foto de Capa: IAAF

Anterior3 de 3Próximo

Comentários

Artigo anteriorOs 5 melhores reforços vindos do Minho
Próximo artigoUm Bordeaux que ainda não está bom de beber
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.