Parece que 2020 não vai permitir a criação de boas recordações. Com a chegada e propagação de um vírus desconhecido e mortal, o mundo parou e o desporto, nomeadamente o Atletismo, não foi, logicamente, excepção.

O Atletismo – um desporto de verão, por eleição – nem chegou a aquecer, como se costuma dizer. Num ano em que muitas estrelas tinham já abdicado da temporada em pista coberta, de forma a preparar da melhor forma possível os Jogos Olímpicos de Tóquio, que estavam previstos realizar-se neste verão, a temporada ao ar livre foi totalmente inexistente.

Ainda assim, no pouco que este ano nos deu, existe um atleta que nunca irá esquecer que foi neste 2020 que bateu, aos 20 anos, por duas vezes, um recorde mundial. Armand Duplantis, também conhecido – como prefere – por “Mondo” Duplantis (alcunha dada por um amigo italiano do seu pai), o jovem sueco que há muito tempo bate recordes, saltou na Vara o que nunca alguém tinha saltado. Seja Bubka, Kendricks ou Lavillenie, nenhum deles passou a 6.17 metros ou 6.18 metros, o atual recorde mundial. E muitas curiosidades há acerca deste “puto” sueco…

Anúncio Publicitário

MAS, AFINAL, DUPLANTIS É SUECO OU NORTE-AMERICANO?

Muitos poderão ter estranhado o título do nosso artigo. Todos já viram Mondo Duplantis a competir com as cores suecas, e até já o viram conquistar um título europeu, ao ar livre, no verão de 2018, ainda com 18 anos. A verdade é que o uniforme que Duplantis enverga tem as cores suecas, porque ele assim o decidiu.

Duplantis representa as cores suecas, mas poderia ter escolhido outras cores
Fonte: Oslo Diamond League

Nascido no Louisiana, em 1999, Armand é filho do norte-americano Greg Duplantis – que também praticou Salto com Vara, tendo chegado aos 5.80 metros – e da sueca Helena Duplantis, uma antiga atleta de Heptatlo e de Voleibol. Ambos se conheceram quando Helena foi para Louisiana com bolsa escolar e desportiva para frequentar a LSU, e de lá não saiu mais.

Armand Duplantis fala inglês nativo e, embora, já comece a expressar-se em sueco, a sua própria mãe confidenciou que ele não é fluente, sendo o que pior fala a língua em casa (Armand tem uma irmã mais nova e dois irmãos mais velhos, e Andreas também representa a Suécia no Salto com Vara, desde 2009).

Foi aos 15 anos que Armand decidiu que iria representar a Suécia. Apesar de a legislação facilitar a mudança na passagem a sénior, Mondo nunca mais olhou para trás e sempre considerou lógica a sua decisão. O atleta refere que o grande factor a pesar na sua decisão terá sido a ascendência e as raízes da mãe. Já o pai de Armand confidenciou ao NY Times que outros fatores também foram tidos em conta, como o facto de o processo de seleção sueco ser bastante mais acessível do que o norte-americano.

A escolha pela Suécia terá sido, assim, uma decisão lógica e ponderada. Uma decisão legítima, uma vez que, tendo duas nacionalidades, Duplantis teria o direito de escolher representar o país que bem quisesse. No entanto, nos EUA, algumas vozes se levantaram contra a decisão do jovem. Sendo norte-americano, o atleta beneficiou de todos os apoios do sistema escolar do país e, considerando que nem sueco fala, é alguém “mais norte-americano” do que sueco, pelo que deveria retribuir a aposta e investimento do país em si. Isso só a Duplantis dirá respeito, mas na internet não é difícil encontrar exemplos de vozes que ainda hoje se manifestam contra a decisão do jovem atleta.

1
2
Artigo anteriorNFL Draft 2020: A análise da segunda noite
Próximo artigoO 11 do século XXI que não ganhou a Liga dos Campeões
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.