A história que vos trazemos é pouco habitual, mas talvez seja apenas um sinal dos tempos que agora atravessamos. É algo que já antes vimos acontecer com ex-atletas ou em situações especiais, como eventos de solidariedade, mas não é assim tão comum vermos acontecer com atletas no ativo, ainda mais quando falamos de alguém que é uma atual campeã olímpica.

Tianna já foi Ouro olímpica e duplamente Ouro mundial
Fonte: World Athletics

A norte-americana Tianna Bartoletta surpreendeu o Twitter quando há poucos dias decidiu organizar uma venda virtual de vários objetos que tinha guardado em casa. Até aqui nada de extraordinário. É habitual vermos atletas a oferecer ou a leiloar objetos específicos de forma a recompensar os seus fãs ou patrocinar determinadas causas. O que causou estranheza na situação da atual campeã olímpica do Salto em Comprimento (que também venceu o título mundial em duas ocasiões) foi a quantidade, o tipo de objetos que foram vendidos e as razões apresentadas. Entre os artigos que a atleta colocou à venda, encontram-se, por exemplo, os troféus de vencedora das edições 2014 e 2015 da Diamond League!

Entre outros objetos encontram-se os testemunhos da estafeta 4×100 em Londres (equipa que alcançou o Ouro nos Mundiais, mas da qual Tianna nem fazia parte na final), equipamentos, ténis, chinelos, headphones, colunas, tudo o que se possa imaginar e que pode ser consultado aqui, no site oficial da atleta.

Anúncio Publicitário

Muitos fãs mostraram admiração com a situação e interrogaram-se se seria por necessidade que a atleta estaria a ver-se livre de tão preciosas recordações. A atleta, que é patrocinada pela Nike e que já em situações passadas se havia queixado da redução dos prémios em meetings internacionais, apontou várias razões para a existência desta venda.

Referiu que as experiências que guarda nunca se perderão e isso é o mais importante, ressalvando que não quer ser uma colecionadora de coisas sobre si e que acha que é positivo que possa partilhar isso com os fãs. No entanto, não deixou de referir, também, que ela, tal como todos os atletas pelo mundo fora, atravessam uma fase incerta e complicada e, tendo em conta que quer ir a Tóquio defender o seu título mundial, sabe que isso requererá investimento.

Tianna referiu ainda que os fundos da Federação Norte-Americana são insuficientes para custear uma época inteira e que a sua situação contratual é incerta. Posto isto, a atleta afirma estar a ser proativa ao invés de ser reativa a adversidades financeiras que possam estar a chegar.

Isto com os portes é capaz de não compensar…

Não deixa de ser curioso que uma campeã olímpica – e oriunda de um mercado como o norte-americano – refira que faz isto também por questões financeiras. Curioso ou assustador. Já agora, para os mais curiosos, podemos revelar que a maioria dos objetos já foram vendidos e que cada um dos troféus de vencedora da Diamond League foram vendidos por cerca de 2.000 dólares norte-americanos.

Foto de Capa: Diamond League

Artigo revisto por Joana Mendes