logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

FC Porto

CSM Oradea 67-58 FC Porto: Faltou concretizar para vencer

 

A CRÓNICA: O LIMIAR DA PASSAGEM DEITADO POR TERRA NA ROMÉNIA

O FC Porto deslocou-se à Roménia para defrontar o CSM Oradea, com a esperança de passar à próxima fase da Liga Europeia de basquetebol.

Ocupando, até à entrada no terreno de jogo, o segundo lugar da tabela classificativa do Grupo H, os dragões ao vencer frente aos romenos garantiam à passagem para as eliminatórias.

No primeiro quarto, o FC Porto entrou em jogo de forma bastante ofensiva, com Jonathan Arledge a ser um dos grandes potenciadores de jogo da equipa azul e branca.

O CSM Oradea assumiu o jogo de forma reticente, não estando a ser potencialmente perigoso para o cesto adversário, também por mérito da defesa portista. No marcador lia-se um resultado favorável aos comandados de Moncho López, por 17-25.

O CSM Oradea assumiu a sério o jogo na virada para o segundo quarto, com uma maior ofensiva potenciada pelo próprio coletivo. O nervosismo dos primeiros segundos começou a desparecer frente a um FC Porto bastante focado em campo.

O resultado começou a “apertar” e os romenos aproximaram-se bastante no marcador, tendo mesmo conseguido sobrepor-se. Para fechar o resultado ao intervalo, Kris Richard concretizou o 39-34 com um lançamento de três pontos ao soar da buzina.

Os dragões precisavam de um bounce back, dado ter conseguido apenas concretizar nove pontos em todo o período.

No entanto, o bounce back portista parecia tardar em chegar, enquanto os romenos se distanciavam no marcador, levando mesmo a vantagem a aumentar.

Durante largo tempo do terceiro quarto, o FC Porto não conseguiu ser ofensivamente assertivo, o que levou ao CSM Oradea a concretizar muito mais. Apesar da capacidade portista de vencer nos ressaltos, faltava vencer na percentagem de acerto. Nisto, o resultado chegava, aos últimos dez minutos, num 54-45 a favor da equipa da casa.

Era o último suspiro e a última esperança do FC Porto para vencer o encontro: o último período. A equipa nortenha teria de dar totalmente a volta ao que faltou ao longo do encontro: a assertividade ofensiva.

O nível de jogo começou a “cair” um pouco com o aproximar do final do encontro. O FC Porto apresentou algum nervosismo por ver o grande objetivo fugir aos poucos e o CSM Oradea enaltecia-se por estar a vencer o rival direto, dado que os romenos ocupavam, até então, o terceiro posto da tabela com apenas menos um ponto do que os dragões).

Os segundos corriam e pouco mais havia para o FC Porto fazer perante um Kris Richard inspirado. Só dependiam de si próprios para assegurar a passagem à próxima fase neste encontro, mas vão ter de vencer o próximo encontro frente ao Legia e esperar que o CSM Oradea não consiga pontuar para concretizar esse objetivo. Na Roménia, tudo terminou com a vitória da equipa caseira por 67-58 e um aperto na esperança dos dragões.

 

A FIGURA

Fonte: FI

Kris Richard (CSM Oradea) – O shooting guard dos romenos foi fulcral para a construção da vitória da equipa e que colocou os portistas num “limbo” entre a passagem e a eliminatória. Com mais de 20 pontos marcados e a capacidade de construção de jogo que implementou no encontro, Kris Richard foi o fator fundamental da vitória do CSM Oradea.

O FORA DE JOGO

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Assertividade ofensiva do FC Porto – O FC Porto entrou bem no jogo, mas foi-se perdendo ao longo do mesmo. Junto disso, perdeu-se alguma da eficácia e concentração ofensiva que os dragões precisavam num jogo tão importante como este, onde poderiam carimbar a passagem à próxima fase, dependendo apenas deles mesmos.

 

ANÁLISE TÁTICA – CSM ORADEA

A equipa do CSM Oradea organizou-se de forma a encaixar-se no jogo do FC Porto com uma defesa à zona mais cerrada, mas optou por transição rápida para o ataque, de forma a descoordenar a defensiva portista.

CINCO INICIAL E PONTUAÇÕES

Dovis Bickauskis (7)

Alex Gavrilovic (6)

Garlon Green (7)

Stephen Holt (6)

Kris Richard (9) 

SUBS UTILIZADOS

Martynas Paliukenas (6)

Catalin Baciu (5)

Tudor Fometescu (5)

Nikola Markovic (7)

Bogdan Nicolescu (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

O FC Porto optou por abdicar da defesa à zona em prol da defesa homem a homem e montou um ataque mais organizado.

CINCO INICIAL E PONTUAÇÕES

Jonathan Arledge (7)

Charlon Kloof (7)

Miguel Queiroz (7)

Brad Tinsley (6)

Rashfard Odomes (8) 

SUBS UTILIZADOS

Paul Jorgensen (6)

Daniel Purifoy (6)

Serigne Barro (6)

João Soares (6)

Vlad Voytso (5)

Foto de capa: FIBA

Artigo revisto por Joana Mendes

A Andreia é licenciada Ciências da Comunicação, no ramo de Jornalismo. Depois de ter praticado basquetebol durante anos, encontrou no desporto e no jornalismo as suas maiores paixões. Um dos maiores desejos é ser uma das vozes das mulheres no mundo do desporto e ambição para isso mesmo não lhe falta.

A Andreia é licenciada Ciências da Comunicação, no ramo de Jornalismo. Depois de ter praticado basquetebol durante anos, encontrou no desporto e no jornalismo as suas maiores paixões. Um dos maiores desejos é ser uma das vozes das mulheres no mundo do desporto e ambição para isso mesmo não lhe falta.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA