Anúncio Publicitário

Em julho de 2019 houve uma das mais memoráveis “off-season” de sempre. Grandes nomes a irem para grandes equipas e ainda velhas caras a juntarem-se de novo.

Falo pois da junção de Russel Westbrook com James Harden em Houston, junção essa que foi possível após o então companheiro de equipa de Westbrook, Paul George, quase forçar a direcção a uma transferência para a sua cidade de Los Angeles, para atuar pelos Clippers, ao lado de, nada mais nada menos que a Super-Estrela que tinha acabado de ganhar o campeonato, Kawhi Leonard.

Anúncio Publicitário

Ora, uma equipa em Oklahoma fora completamente desmontada, Kawhi saiu da situação perfeita em Toronto, onde tinha uma cidade que o venerava, um sistema de jogo que encaixava que nem uma luva no seu e ainda, hipóteses sólidas de voltar à terra prometida. Pois bem, tudo isto foi posto de parte, quando Kawhi, como um “agente livre” tomou a decisão de regressar a casa em Los Angeles e jogar pela grande equipa da sua cidade Natal, os Lakers…. Não? Esperem… AH! Certo, os Clippers.

Os Clippers, aquela equipa que sempre foi chacota em Los Angeles, mesmo nos tempos de Blake Griffin e Chris Paul, Kobe Bryant dificilmente os deixava levar a série do regular como ganha. A equipa que nunca chegou a uma final de conferência, de repente, após ter tido uma série disputada na primeira ronda com os então campeões Golden State Warriors, encontrava-se agora com duas grandes figuras a integrar o plantel: Kawhi Leonard e Paul George. Tudo indicava que Los Angeles iria ter uma nova era.

Mas, o grande e o melhor desta geração, LeBron James, também já se encontrava a jogar por uma equipa de Los Angeles: os L.A Lakers. Apesar de uma temporada algo apagada em 2019 devido a lesão, não queria dizer que o pudessem retirar das contas assim de repente.

Anúncio Publicitário