Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesO draft da NBA acontece já esta quinta-feira e a expectativa é grande, com vários jovens talentosos prontos a iniciarem o seu caminho na NBA. Para quem não está familiarizado com o sistema, as 14 piores equipas da temporada que agora terminou têm direito aos primeiros 14 lugares do draft. É realizada uma lotaria, onde quanto pior tiver sido o recorde da equipa, maiores as hipóteses de escolher em primeiro no draft. Uma vez que as equipas negoceiam entre si através de trocas (e porque os Nets fizeram a pior troca de sempre com os Celtics), a equipa de Boston acabou por ter a 1ª escolha, que trocou neste fim-de-semana pela 3ª dos Sixers. Devido à troca de Cousins de Sacramento para New Orleans, os Kings têm duas escolhas neste draft. Analisamos aqui a melhor opção para cada uma das equipas na lotaria, ou seja, as primeiras 14 escolhas do draft de 2017.

Eles “confiaram no processo” e cada vez mais pessoas começam a perceber porquê. Os Sixers foram alvo de chacota durante os últimos anos pelas más equipas que possuíam, à procura de escolhas no draft, mas são muitos os que gostavam de chegar ao dia de hoje na pele da equipa de Philadelphia, no que ao futuro diz respeito. Com Embiid, Simmons (ainda por estrear na NBA) e Saric, faltava um base com capacidade para colocar esta orquestra em ação. E a troca com os Celtics neste fim-de-semana foi o passo natural. Os Sixers vão escolher Markelle Fultz, o jogador mais talentoso do draft e logo para a posição onde mais precisavam. Os Lakers estão mais atrasados na montagem da sua equipa para o futuro, mas têm este ano uma excelente oportunidade para avançarem uns anos. Não é surpresa que os Lakers querem Paul George (e que George está inclinado para os Lakers) e Lonzo Ball, a mais que provável escolha dos Lakers neste draft, pode abrir portas ao negócio. Com Ball na equipa, os Lakers poderiam usar D’Angelo Russell como moeda de troca no negócio de Paul George e começar a construir uma equipa de respeito e com prespetivas de futuro, comandada pelo base de UCLA.

Tatum e Jackson (ambos no centro da imagem) foram campeões mundiais de sub-19 em 2015 e lutam agora pelo último lugar no pódio do draft Fonte: FIBA
Tatum e Jackson (ambos no centro da imagem) foram campeões mundiais de sub-19 em 2015 e lutam agora pelo último lugar no pódio do draft
Fonte: FIBA

Os Celtics trocaram a primeira escolha com o principal intuito de abrirem algum espaço salarial para Hayward. Ou Griffin. Ou George. Ou Butler. A um destes, os Celtics poderão acrescentar um extremo marcador de pontos para complementar também Isaiah Thomas, deixando Jaylen Brown a crescer na sombra. Josh Jackson vinha sendo o nome mais apontado a Boston mas, em princípio, será Jayson Tatum o escolhido. O extremo de Duke oferecerá pontos a uma equipa que precisa deles para dar o passo seguinte. Quem poderá beneficiar (e muito) com a escolha de Tatum pelos Celtics serão os Suns. A equipa de Phoenix gosta bastante da versatilidade e capacidade nos dois lados do campo de Josh Jackson para formar uma boa dupla com o marcador de pontos Devin Booker e, caso Jackson se encontre disponível aquando da vez dos Suns, a decisão será fácil de tomar.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários