LEBRON JAMES VS. KAWHI LEONARD

Pois bem, avançando um ano, chegou a hora de pôr tudo na balança: Kawhi Leonard vinha de uma temporada em que ganhou o Campeonato da NBA, recebendo o “Finals MVP” para solidificar ainda mais o seu percurso. Decidiu que a melhor opção seria rumar a casa e “tentar tudo de novo”, com uma equipa menos experiente, com muitas caras novas, mas que, apesar destas características, tudo têm para chegar longe e talvez até à terra prometida.

Por outro lado, LeBron James, vinha de uma temporada em que, até ao Natal, conseguiu ter a sua equipa nos primeiros postos da conferência Oeste, a sua equipa mostrava sinais de crescimento e ainda alguma margem para algo mais nos Playoffs, até que, uma lesão na virilha o desacelerou e fez com que a equipa falhasse os Playoffs por completo. Duas equipas da mesma cidade, ambas com líderes muito claros, mas com histórias diferentes no entrar desta época de 2020.

LeBron James, apesar de alguns números na categoria de ressaltos (7.6 por jogo) e até pontos (25.2) não serem algo muito impressionante para o jogador que é, beneficia da juventude do seu braço direito em Anthony Davis e, atingiu o melhor de carreira de 10.2 assistências por jogo, liderando a NBA.

Ao passo que Kawhi Leonard, apesar de números mais discretos, falhar muitos jogos por “load management” devido a uma lesão crónica na coxa, têm vindo a melhor o seu jogo exponencialmente, sendo que podemos sempre contar com a sua melhor versão nos playoffs. No regular fez 27.1 pontos por jogo, com 7.2 ressaltos e ainda cinco assistências, categoria esta última que têm como uma falha no seu jogo.

Anúncio Publicitário

Por um lado, temos um Kawhi de 29 anos, no auge da carreira supostamente, a liderar uma equipa onde se encontra ainda a fazer a sua primeira época, algo como os Raptors em 2019, que apesar de não ser o distribuidor de jogo que se espera de uma superestrela, faz o seu trabalho e deixa pouca margem para erro.

Do outro lado, temos um Lebron de 35 anos, nos supostos últimos anos da sua carreira, também a liderar a sua equipa, ainda que por forma mais de distribuição de jogo e como líder vocal, equipa essa que se encontra apenas a fazer a sua segunda época mas, que conta com o grande nome de Anthony Davis, para colmatar as poucas falhas que, talvez devido a idade, o seu jogo apresenta.

Kawhi conta com grandes ajudas no perímetro defensivo de Paul George e, algumas noites, de Patrick Beverley. Apesar de a nível de jogadores interiores ser uma equipa com menos referencias, jogadores como Zubac, Harrel ou ainda JaMychal Green fazem o seu trabalho e ajudam a que o resultado apareça. A vir do banco contam ainda com Lou Williams, três vezes melhor reserva da NBA, e ainda Landry Shamet, jogador menos experiente, mas que também contribui o necessário.

Ao passo que LeBron James, apesar de menos referências no perímetro, conta com grandes presenças no interior. O seu braço direito em Anthony Davis, um dos melhores jogadores ativos na NBA. A vir do banco numas noites ou a começar de início outras têm o três vezes jogador defensivo do ano Dwight Howard, e conta ainda com JaVale McGee, que vistas as coisas é duas vezes campeão da NBA. Em termos de perímetro, conta com Kyle Kuzma, jovem jogador com muita margem para progressão, Alex Caruso, que vêm sempre do banco, mas faz todo o chamado “trabalho sujo”, o campeão da NBA e distribuidor de jogo em Rajon Rondo e ainda, um grande atirador em Danny Green, também ele duas vezes campeão da NBA.

1
2
3
4
Artigo anteriorCalcio Storico: O desporto mais perigoso do mundo?
Próximo artigoJoão Mário e Jorge Jesus: O possível reencontro
Pratica desporto desde os cinco anos, idade em que começou a jogar Basquetebol. Jogou ao serviço da Associação Desportiva Ovarense durante 12 anos (nos quais três foi campeão distrital de Aveiro). É licenciado em Gestão (ensino em Inglês) pelo ISEG e estudante no Mestrado de Finance pela mesma instituição. Instituição pela qual ainda pratica Basquetebol, tendo conseguido chegar ao Top-8 Nacional em duas épocas consecutivas. É uma pessoa com uma paixão pela modalidade e com uma forte opinião sobre a mesma, sempre aberto a diferentes visões e novas experiências.                                                                                                                                                 O Vicente não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.