Cabeçalho modalidadesA época é 2017-2018. The Process está supostamente terminado, veremos o que a sorte reserva para o draft da próxima temporada. E em Philadelphia volta-se a sonhar com a post-season e, em algumas mentes, pensa-se mais alto, deseja-se um título. No papel os 76ers parecem possuir o talento para tal, mas a realidade é assim tão encorajadora?

Vamos a algo óbvio: a equipa orientada por Brett Brown tem no seu plantel muito e bom talento jovem. Joel Embiid à cabeça, Ben Simmons, o próprio Markelle Fultz apesar de ser nesta altura uma carta fora do baralho, numa segunda linha Dario Saric ou Robert Covington. Juventude não é suficiente e portanto esta época o front-office dos 76ers procurou juntar experiência trazendo nomes como J.J. Redick ou Amir Johnson. Mas, na prática, o resultado não está ser o esperado. A equipa tem neste momento um saldo de 15-18 e se a temporada terminasse neste momento, estaria fora dos playoffs. Mas então, com tanto talento, porquê que as coisas não estão a correr bem? Porque sinceramente os jogadores de Philadelphia parecem feitos de papel ou apresentam lacunas graves no seu jogo.

Primeiro caso: Joel Embiid. Quando saudável, é uma besta. O impacto que produz na equipa é notório, mas a sua saúde é em muito questionável. Segundo caso: Ben Simmons. Números fantásticos para um rookie, mas a lacuna no seu jogo é demasiado gritante: este rapaz não consegue lançar a mais de 2 metros do cesto e, as defesas contrárias começam a saber utilizar isso contra o jovem jogador. É muito jovem e claramente pode melhorar este aspeto e, se o conseguir fazer, será notoriamente um dos melhores jogadores da NBA. Terceiro caso: Markelle Fultz. Chegou ao draft de 2017 que se encontrava recheado de talento como o óbvio número um.

Markelle Fultz é ainda uma incógnita, apesar das previsões de um futuro risonho Fonte: NBA
Markelle Fultz é ainda uma incógnita, apesar das previsões de um futuro risonho
Fonte: NBA

É muito cedo para julgar o jovem base, até porque tudo indica se encontrava lesionado nos poucos jogos que fez na liga, mas acredito que é nos seus ombros que muito do futuro sucesso dos Philadelphia 76ers reside. Jogando a Point-Guard, pode libertar Bem Simmons para outras zonas do campo e permitir que este seja um jogador à imagem de Lebron James, deixando a organização de jogo nas mãos de Fultz. Estes três nomes, juntando a Dario Saric e Robet Covington formam um dos melhores jovens elencos da liga, mas será sempre importante juntar experiência em cada off-season.

A ideia está lançada: para Philadelphia voltar a celebrar um título, os talentosos membros da equipa tem que se manter saudáveis, sobretudo no caso de Embiid. Se estes jogadores deixarem de ser feitos de papel, é muito provável que um anel chegue, nos próximos cinco ou seis anos.

Anúncio Publicitário

Foto de Capa: NBA