Alaphilippe vence Milan-Sanremo

    Chegaram os monumentos no mundo do ciclismo! Este sábado, em Itália correu-se a Milan-Sanremo, prova que consta no calendário do World Tour. Esta que é a clássica mais extensa de todo o calendário ciclístico, com cerca de 291 km de extensão.

    É também a clássica das chamadas “cinco grandesem que os puros velocistas têm maiores chances de êxito. Ao longo dos anos foram vários os nomes de sprinters que ganharam esta prova: Démare, Degenkolb, Kristoff ou Cavendish são alguns exemplos.

    Na prova deste ano os olhos estavam postos acima de tudo na equipa belga da Deceuninck- Quick-Step, são eles quem têm dominado as clássicas deste início de época, portanto teria que haver atenção redobrada. 

    A clássica teve uma fuga de dez homens: Hentala, Maestri, Masnada, Peron, Planet, Poli, Raggio, Sagiv, Schonberger e Tonelli, eram estes os escapados.

    A fuga teve uma vantagem superior a oito minutos para o pelotão. O trabalho da Lotto Saudal, Bora Hansgrohe e da Deceuninck-Quick-Step, na parte final, foi importante para anular a desvantagem existente.

    Numa parte mais dura, a fuga começou a desentender-se e Fausto Masnada da Androni Giocatolli saiu numa tentativa a solo. Entrou na subida da Cipressa sozinho, mas foi alcançado a meio da mesma pelo pelotão.

    Faltavam 25 km para o final da prova, o pelotão estava finalmente compacto. Pouco depois Niccolo Bonifazio, o italiano da Direct Energie tentou a sua sorte e ainda teve uma vantagem de 20 segundos, mas que foi insuficiente e acabou por ser alcançado com cerca de dez quilómetros para o final.

    Chegava então a parte mais interessante da etapa, onde se ia perceber se era um sprinter ou um puncheur que iria ter sucesso no final. A subida do Poggio com 3.8% de inclinação média e com 8% de inclinação máxima, durante 3.6 km. 

    Alaphilippe atacou no Poggio para selecionar a corrida
    Fonte: Deceuninck – Quick-Step / Tim De Waele / Getty Images

    O ritmo era bastante elevado, colocado pela Deceuninck-Quick-Step. Muitos sprinters, incluindo Elia Viviani, o campeão italiano, estavam a ficar para trás. A corrida ficou mexida, com as movimentações de Simon Clarke e de Julian Alaphilippe. Peter Sagan, Kwiatkowski, Wout Van Aert, Valverde, Oliver Naesen e Matteo Trentin seguiram os dois fugitivos.

    No final, foi ao sprint que se decidiu, com cerca de dez elementos, Julian Alaphilippe conseguiu arrecadar o seu primeiro monumento da carreira. Num grupo em que estavam nomes como Peter Sagan ou Trentin, que teoricamente são superiores ao francês no que toca a finais ao sprint.

    Que início de temporada fantástico para Alaphilippe, já leva sete vitórias! É ele o ciclista com mais vitórias na temporada 2019. Sendo esta a 25.ª vitória da sua carreira! E que vitória!

    Classificação:

    1. Julian Alaphilippe (Deceuninck-Quick-Step) 6:40:14

    2. Oliver Naesen (AG2R La Mondiale) m.t.

    3. Michal Kwiatkowski (Team SKY) m.t.

    4. lugar- Peter Sagan (Bora-Hansgrohe) m.t.

    5. lugar- Matej Mohoric (Bahrain Merida) m.t.

    Foto de Capa: Deceuninck – Quick-Step / Tim De Waele / Getty Images

    - Advertisement -

    Subscreve!

    Artigos Populares

    André Filipe Antunes
    André Filipe Antuneshttp://www.bolanarede.pt
    O André é licenciado em Marketing e Publicidade e um fã incondicional de ciclismo. Começou desde pequeno a ter uma paixão pelo desporto, através do futebol. Chegava a saber os plantéis de todas as equipas da Primeira Liga! Com o tempo, abriu-se o horizonte e o interesse para outros desportos, como o Ciclismo, o Futsal e, mais recentemente, a NBA. Diz que no Ciclismo existem valores e táticas que mais nenhum desporto possui e ambiciona um dia ter a oportunidade de assistir ao vivo a um evento deste calibre.