Era suposto o contrarelógio individual ser só a meio da semana, mas alguém se esqueceu de avisar Annemie van Vleuten. Depois de falhar o terceiro título consecutivo no esforço individual de forma surpreendente, a holandesa não deixou créditos por mãos alheias e chegou ao arco-íris da prova de fundo – uma das muito poucas vitórias que lhe faltava no palmarés – com uma exibição só ao alcance de quem realmente merece ser chamada ‘a melhor do mundo’.

Com um elenco de luxo e três das principais favoritas, a equipa dos Países Baixos começou desde cedo a mostrar que queria revalidar o título dos últimos dois anos (2017 com Chantal Blaak e 2018 com Anna van der Breggen). Logo na primeira subida do dia, Demi Vollering impôs um forte ritmo para começar a selecionar o grupo e colocar as adversárias em dificuldades.

Annemiek van Vleuten ao ataque para fazer mais de 100 quilómetros a solo
Fonte: Yorkshire 2019

À segunda dificuldade, ainda a mais de 100 quilómetros da meta, foi a vez de Annemiek  van Vleuten forçar o ritmo e se isolar na frente, rapidamente estabelecendo uma vantagem de um minuto sobre as perseguidoras. Percebendo o perigo, algumas das restantes favoritas responderam e formaram um pequeno grupo perseguidor.

Com um trabalho importante de Elisa Longo Borghini, Lizzie Deignan e Chloe Dygert-Owen, o grupo chegou a aproximar-se bastante da frente, mas acabou por chegar o momento em que faltou entendimento e van Vleuten aproveitou o estatuto solitário para ao ritmo constante ir abrindo uma maior vantagem.

Com o desespero a crescer no grupo atrás, começaram também os ataques, mas a desorganização limitava-se a dar como certa a vitória de van Vleuten. Depois de ser a que mais tentou e ter reduzido o grupo, Duignan acabou por ceder e restaram quatro (Dygert, Spratt, Borghini e van der Breggen) na perseguição à líder. Seguiu-se um conjunto de ataques de Dygert-Owen e foi a vez de Borghini ceder, enquanto a americana se isolava no segundo posto.

Anúncio Publicitário

Contudo, as duas primeiras de 2018 em Innsbruck não baixaram os braços e colaboraram bem para recolar e depois deixar para trás Dygert-Owen e discutir entre si a prata, que ficaria mesmo para van der Breggen, que atacou na última volta para garantir a dobradinha para os Países Baixos, que colocaram ainda Marianne Vos em sexto.

Classificação

  1. Annemiek van Vleuten (NED) 4:06:05
  2. Anna van der Breggen (NED) +2:15
  3. Amanda Spratt (AUL) +2:28

Foto de Capa: Yorkshire 2019

artigo revisto por: Ana Ferreira