Cabec¦ºalho ciclismo

Em 2013, Chris Froome venceu o Critérium du Dauphiné e, mais tarde, venceu o Tour de France. Voltará a repetir esse desfecho? Veremos, mas a 1ª parte está completa, que foi o de levar de vencida este Dauphiné e deixar uma forte mensagem para todos os seus adversários à camisola amarela no Tour!

Mais uma vez, esta prova surpreendeu e voltou a dar-nos um bom espetáculo entre alguns dos candidatos a vencer o Tour ou a estar no top5/top10 do mesmo. Nibali e Valverde mostraram estar mais preocupados em ganhar mais forma para o Tour do que propriamente lutar por um bom resultado (mesmo assim, o ritmo de ambos foi suficiente para terminarem no 12º e 9º lugar, respetivamente – sendo que Nibali costuma, igualmente, tentar não estar muito forte nestas corridas para que os adversários não vejam quais poderão ser as suas táticas ou formas de corrida durante a prova). Talansky, o vencedor de 2014 desta prova, não conseguiu melhor do que um 10º lugar.

O Dauphiné que começou e terminou da mesma forma: com uma vitória da Sky! Na 1ª etapa, Peter Kennaugh consegue uma excelente vitória fruto da sua coragem e audácia. O restante do pelotão chegou atrás dele com Modolo a ser o mais forte ao sprint e a conseguir o 2º lugar. Na 2ª etapa, num final esperado ao sprint, Bouhanni, o vencedor da camisola dos pontos, consegue a sua 1ª vitória na prova francesa. Na 4ª etapa viria a vencer, novamente, numa chegada ao sprint e a mostrar que era mesmo o sprinter mais forte desta corrida (veremos como irá lidar com sprinters “de peso” no Tour – Modolo e Mezgec eram a maior concorrência para o francês nesta prova, mas o ciclista da Lampre apenas venceu o próprio Bouhanni num sprint para o 2º lugar e o esloveno, da Giant, o melhor que conseguiu foi um 3º lugar na 4ª etapa). No contrarrelógio coletivo ou por equipas, a BMC, campeã do mundo, mostrou exatamente o porquê de ter sido a mais forte nos mundiais e venceu a etapa deixando Rohan Dennis na liderança e Van Garderen numa excelente posição para poder vencer a prova.

Os atuais campeões do mundo de contrarrelógio por equipas não desiludiram e venceram na sua especialidade Fonte: steephill.tv
Os atuais campeões do mundo de contrarrelógio por equipas não desiludiram e venceram na sua especialidade
Fonte: steephill.tv

Depois desse CR e da última etapa ao sprint compacto, finalmente apareceram as etapas de montanha e tivemos as primeiras “lutas” entre os favoritos à geral. Na 5ª etapa, Romain Bardet esteve taticamente perfeito e, arriscando na descida, conseguiu ter uma vantagem suficiente para vencer a etapa e passar a ter a camisola branca da juventude na sua posse (tendo Van Garderen conseguido o 2º lugar na etapa, batendo Froome, e a camisola amarela). Nibali, Valverde e Rui Costa não aguentaram o ritmo dos principais adversários e deixaram-se ficar para trás. Mas é também por momentos como os seguintes que o ciclismo é o enorme espetáculo que é: na etapa seguinte, a 6ª, os mesmos três integraram a fuga principal do dia (juntamente com “dois Tony’s”: Martin e Gallopin). O italiano da Astana poderia ter conseguido, nesse mesmo dia, a camisola amarela e a vitória de etapa, não tivesse com ele um ciclista de seu nome…Rui Costa, claro está! O português, em mais uma “jogada de mestre”, geriu melhor as forças e acabou por bater o italiano, nos últimos metros, com relativa facilidade (pode ver mais acerca desta enorme vitória aqui).

As duas últimas etapas tiveram um nome em comum: Christopher Froome! O britânico da Sky, mesmo sem grande desgaste, deu espetáculo e venceu, com categoria, as duas etapas. Na 7º etapa, numa grande luta com Van Garderen, Froome conseguiu escapar-se do americano a tempo de ainda ganhar 17 preciosos segundos para o seu objetivo de vencer esta prova. Mesmo assim, depois disto, ainda estava tudo em aberto, com o ciclista da BMC a manter o seu 1º lugar por meros 18 segundos. Previa-se uma última etapa de enorme categoria, principalmente pelo facto de termos o homem que estava em 2º lugar numa melhor forma, mas com o Van Garderen a ter a vantagem na sua posse.

O pódio final do Critérium du Dauphiné Fonte: Letour.fr
O pódio final do Critérium du Dauphiné
Fonte: Letour.fr

Chegada a última etapa e chegados os últimos km’s, Froome (quem mais…) desfere um excelente ataque e o camisola amarela nunca mais o conseguiu apanhar (a certa altura chegou a olhar para trás para ver se conseguiria ter a ajuda do grupo perseguidor, mas isso não aconteceu). Esse mesmo grupo perseguidor continha o português Rui Costa (que na etapa anterior perdeu um pouco de tempo devido ao desgaste que teve no dia da sua vitória) e o britânico e uma das jovens sensações do momento Simon Yates (no final do dia conseguiu o 2º lugar na etapa, o 5º lugar da geral e, ainda, “tirou” a camisola de melhor jovem a Romain Bardet) – já agora, referente a jovens sensações do momento, há que ter em atenção, tal como já tenho dito a várias pessoas há uns tempos atrás, o crescimento de Caleb Ewan, venceu agora a Volta à Coreia e, das 8 etapas, ganhou 4. Voltando ao Critérium, quer o Yates, quer o Rui, ainda foram a tempo de superar o Van Garderen e, com as bonificações, o próprio Rui Costa (o ciclista da Movistar Benat Intxausti não foi forte o suficiente na última subida) conseguiu subir a um enorme 3º lugar na geral individual! Já Van Garderen perdeu a liderança, mas mostrou estar em forma para as provas vindouras.

A camisola da montanha até nem foi ganha por nenhum destes maiores intervenientes, mas sim por um ciclista da Eritreia, de seu nome Daniel Teklehaimanot, da equipa sul africana MTN Qhubeka, que foi integrando as fugas certas e conseguiu dar esta vitória a todo um povo eritreu e, até mesmo, a toda uma nação africana, sendo este outro dos grandes momentos deste Critérium du Dauphiné.

Em suma, uma vitória justa do Froome, da Sky (apesar de, por vezes, tentarem meter um ritmo lento nas corridas e que se pode tornar pouco interessante, não deixam de ser uma excelente equipa) e a confirmação de que o britânico não vai estar para brincadeiras no Tour – prova que começa já no princípio de Julho, dia 4! Por fim, igualmente a confirmação de que o Rui Costa deveria optar por fazer mais corridas de 1 semana ou menos, provas onde está a ter, cada vez mais, excelentes resultados. Mesmo assim, aguardamos todos, com boas expetativas, pelo começo do Tour, não só pela batalha que se prevê entre os 4 melhores ciclistas de Grandes Voltas, bem como por um possível top10 da parte do grande Rui Costa (e de boas provas, também, do restante elenco de portugueses que irá estar presente).

Comentários