41 podiums e somente três vitórias. É este o simples e aterrador resumo da época de 2019 da equipa feminina da Sunweb.

As duas grandes líderes da equipa, Coryn Rivera e Lucinda Brand, ficaram ambas em branco da temporada. A americana não conseguiu continuar o sucesso das duas épocas anteriores em que ganhara a Ronde van Vlaanderens (2017) e o Women’s Tour (2018) e mostrou-se somente sólida com vários resultados entre os primeiros, mas nenhuma exibição de encher o olho. Já a holandesa, que se mudará para a Trek em 2020, até foi capaz de alguns destaques como o sexto no Giro ou o segundo na Madrid Challenge, mas mostrou-se incapaz de transformar a boa forma em triunfos.

Já nas segundas linhas, Mackaij continuou a sua progressão e o segundo posto na LBL mostrou que tem tudo para no futuro lutar pela glória nas grandes clássicas, enquanto Kirchmann acabou até por ser a mais prolífica da equipa com dois triunfos.

Contudo, a grande aposta da equipa é a juventude e daí vieram maioritariamente bons sinais. Koch chegou só a meio do ano, mas ainda foi a tempo de somar a única vitória da Sunweb no World Tour, Juliette Labous venceu a Juventude no Giro e na Califórnia e as suas exibições por terras transalpinas deixaram água na boca para anos vindouros. Mathiesen, Georgi e Lippert também deram boas indicações de que continuam num bom caminho ascendente em direção ao topo da modalidade.

Anúncio Publicitário

Por outro lado, Susanne Andersen pareceu não ser propriamente bem gerida e fica a ideia que o seu potencial está ainda subaproveitado pelo conjunto holandês.

No mercado de transferências, a saída de Brand foi colmatada com a aquisição de uma gregária experiente, Alison Jackson, e mais duas jovens prometedoras, Anna Henderson e Wilma Olausson, mas que não dão garantias no imediato.

Coryn Rivera continuará a ser a figura central da Sunweb
Fonte: Team Sunweb / Vincent Riemersma

Para a próxima temporada, Rivera será a figura de proa e terá a responsabilidade de voltar aos grandes resultados e, preferencialmente, apresentá-los em quantidade e de forma recorrente durante o ano. Mackaij e Kirchmann também terão um papel importante e de assumir mais vezes a responsabilidade de chegar à meta em primeiro lugar.

Acima de tudo, há uma juventude na Sunweb em que se está a criar uma bolha prestes a explodir que tem potencial para ser uma força a ser temida por todo o pelotão e esperemos que a equipa seja capaz de aproveitar esse ímpeto para dar a volta após um ano de desilusão.

2020 até poderá não ser ainda o ano para vermos toda esta nova geração no seu esplendor, mas é fulcral para o futuro da equipa que esta vire finalmente o disco e institua uma nova dinâmica de vitória.

Foto de Capa: Team Sunweb / Cor Vos

Artigo revisto por Joana Mendes