Após seis etapas, chegamos ao fim de mais uma “Alentejana”. Desta vez a geral individual ficou nas mãos da W52-FC Porto. Pela primeira vez conseguiram ganhar a Volta ao Alentejo. A equipa Pro Continental portuguesa conseguiu a primeira vitória do ano no contrarrelógio individual em Castelo de Vide e a primeira geral individual da temporada através de João Rodrigues.

A Volta ao Alentejo começou com uma etapa que fazia ligação entre Montemor-o-Novo e Moura. Era a etapa mais longa com 208 km e os sprinters tinham aqui uma oportunidade de brilhar. Foi Enrique Sanz (Euskadi-Murias) que saiu vitorioso, ganhando à frente de Luís Mendonça (Radio Popular Boavista) e Vicente de Mateos (Louletano-Aviludo). Sem diferenças de tempo e não havendo bonificações, o pódio da geral ficou destinado a estes três homens.

A segunda etapa ligou Mértola a Odemira, foram 183 km em que o final seria em ligeira subida. A etapa foi feita a um ritmo muito mais elevado que na primeira, em que os primeiros chegaram à média de 44,399 km/h. No final, Enrique Sanz foi o mais rápido num grupo de 22 ciclistas e manteve a amarela. Raul Alarcón e Vicente de Mateos terminaram em segundo e terceiro lugar, respetivamente. Não havendo grandes diferenças na geral individual entre os favoritos.

Na terceira etapa, Santiago do Cacém-Mora, era um trajeto de 176.5 km que os corredores tinham pela frente. Ficou marcada por vários cortes de tempo, visto que a equipa da Efapel e da W52-FC Porto impuseram um ritmo elevado, quebrando o pelotão numa série de grupos. No final, nas rampas de Mora, foi um grupo com 33 ciclistas que discutiu a vitória. O britânico da Team Wiggins, de seu nome Gabriel Cullaigh, foi o mais rápido, ao bater Luís Mendonça e Rafael Silva (Efapel), segundo e terceiro, respetivamente. Com isto o homem da Team Wiggins ficou com a camisola amarela por um dia. Na geral, os primeiros 18 homens tinham todos o mesmo tempo.

No dia seguinte, era a jornada em que as principais diferenças podiam ser finalmente feitas. Era no sábado com jornada dupla, que os olhos estavam postos. De manhã a etapa ligou Ponte de Sor a Portalegre e à tarde contrarrelógio individual em Castelo de Vide.

De manhã, Luís Mendonça assumiu a liderança da geral individual. Após 74.3 km, o pelotão alcançou a fuga do dia, de seis homens, antes do início da subida para Cabeço do Mouro. Foram aqui que as movimentações dos homens da geral apareceram. Após a subida, seguia-se uma descida até à meta de 5.4 km. No fim, restavam nove homens para discutir a etapa. Sergio Higuita (Fundación Euskadi) foi o homem mais forte, batendo no final Mario González (Euskadi-Murias) e Tobias Foss (Uno-X Norwegian Development Team).

À tarde, foi João Rodrigues quem ganhou no contrarrelógio de 8.4 km em Castelo de Vide. Luís Mendonça ficou em segundo lugar a três segundos e Raul Alarcón em terceiro, a quatro segundos do líder. Os nove primeiros da geral individual tinham chegado ao contrarrelógio todos com o mesmo tempo! Foram as diferenças do mesmo que distanciaram os homens da geral e João Rodrigues assumiu a liderança da prova.

Enrique Sanz venceu etapa final em Évora
Fonte: Volta ao Algarve

A última etapa, ligou Portalegre a Évora, que tem sido nos últimos anos a cidade que recebe o final da Volta ao Alentejo. Com um final esperado ao sprint, mas muito técnico devido às exigências da chegada. Com a diferença de apenas três segundos para o segundo lugar, João Rodrigues tinha que se acautelar com Luís Mendonça. Em terceiro lugar estava Raul Alarcón, seu companheiro de equipa, a quatro segundos e em quarto lugar já mais distante aparecia Tobias Foss a quinze segundos.

Enrique Sanz, o espanhol da Murias voltou a ganhar e fechou em grande a sua prestação na Volta ao Alentejo. João Rodrigues chegou à frente dos concorrentes mais próximos à contestação da geral individual, terminando num sétimo lugar. Luís Mendonça ficou apenas na 12.ª posição e Raul Alarcón chegou no 15.º lugar, garantindo assim a conquista da geral da Alentejana por parte do algarvio da W52-FC Porto.

A camisola dos pontos ficou com Luis Mendonça, a camisola da juventude com o jovem norueguês, Tobias Foss, a camisola da montanha com o campeão nacional da Nova Zelândia, James Fouché da Team Wiggins e a geral de equipas foi conquistada pela W52-FC Porto.

Numa análise final da Volta ao Alentejo, destaque para a primeira vitória da carreira de João Rodrigues, o algarvio mostrou-se a um nível muito bom e aumentam-se as expetativas para ver o restante ano do ciclista. Após as boas prestações na Clássica da Arrábida e na Volta ao Algarve, o ciclista ganha assim a sua primeira prova. 

De salientar ainda as três vitórias da Euskadi Murias com Enrique Sanz, eles que ainda não tinham ganho na temporada, vieram a Portugal com todo o gás e apresentaram-se a um nível bastante elevado. 

Por fim, a primeira vitória da carreira de Sergio Higuita (Fundación-Euskadi), ele que fez uma Volta a Andalucia e Volta à Comunidade Valenciana com os melhores do World Tour. A partir de Maio vai entrar nos quadros da EF Education First e correr pela primeira vez numa equipa World Tour, dando o salto de uma equipa Continental para o primeiro escalão e aí a história vai ser outra! No entanto, o jovem colombiano de 21 anos tem um futuro muito promissor e certamente vamos ouvir falar muito dele.

Foto de Capa: Volta ao Alentejo

Comentários