Anterior1 de 2Próximo

A terceira etapa foi marcada por ser plana, com muito calor, numa ligação entre Santarém e Castelo Branco. Uma extensão de 194,1 quilómetros faziam desta etapa a segunda mais longa da Volta a Portugal.

A última vez que a Volta chegou a Castelo Branco, foi em 2017, na altura Samuel Caldeira da W52-FC Porto venceu.

Hoje, Daniel Mestre acabou por continuar a senda de vitórias da W52-FC Porto em Castelo Branco.

3ª etapa: Ligação entre Santarém e Castelo Branco                          
Fonte: Volta a Portugal

Hoje houve apenas uma fuga de dois ciclistas: Jayde Julius (Protouch) e Guillaume Almeida (BAI Sicasal Petro de Luanda), que estiveram na frente da corrida durante largos quilómetros. Juntos conseguiram alcançar uma vantagem de doze minutos. A equipa espanhola da Caja Rural não estava satisfeita e juntamente com a Amore & Vita- Prodir reduziram o tempo para uma diferença controlável.

Peio Goikoetxea (Equipo Euskadi) conseguiu manter a sua liderança na camisola de montanha, com os pontos conquistados ao longo da tirada. Gaspar Gonçalves (Miranda-Mortágua) e David Ribeiro (LA Alumínios) também andaram nas disputas dos prémios de montanha.

Anúncio Publicitário

O fim de fuga aconteceu quando faltavam sete quilómetros para a meta, nesta altura, apenas restava o ciclista da Protouch na frente. A partir deste momento, equipas como a Efapel, Israel, Boavista, W52-FC Porto tentaram levar os seus blocos para a frente do pelotão.

A W52-FC Porto entrou nos últimos dois quilómetros com o bloco todo na frente, com Edgar Pinto a puxar pelo grupo. Depois, na entrada do último quilómetro, foi o camisola amarela, Gustavo Veloso, quem liderou o grupo, deixando Samuel Caldeira para lançar Daniel Mestre que acabou por levantar os braços na meta final.

Uma ótima leitura de corrida da equipa portista que levou mais um triunfo nesta edição da Volta.

Assim, Gustavo Veloso continua de amarelo, com três segundos de vantagem para Mikel Aristi (Euskadi-Murias) e com oito segundos para o seu colega de equipa, Daniel Mestre, que é terceiro classificado.

Uma das notícias do dia foi a penalização de Jóni Brandão com dez segundos! O ciclista da Efapel acabou por descer da terceira posição para a décima. Agora está a 23 segundos da camisola amarela. Os comissários de corrida alegaram que Jóni foi beneficiado com um impulso do carro de apoio na etapa de ontem.

Amanhã é dia para os homens da geral fazerem diferenças. A mítica chegada à torre trará uma nova classificação geral e muitas mudanças de tempo.

Top 10 da etapa 3:

1º lugar- Daniel Mestre (W52-FC Porto) 5h:11m:37s

2º lugar- Clément Russo (Arkéa-Samsic) m.t

3º lugar- August Jensen (Israel Cycling Academy) m.t

4º lugar- Mikel Aristi (Euskadi Murias) m.t

5º lugar- Luís Mendonça (Radio Popular Boavista) m.t

6º lugar- Samuel Caldeira (W52-FC Porto) m.t

7º lugar- Gustavo Veloso (W52-FC Porto) m.t

8º lugar- Marco Tizza (Amore & Vita- Prodir) m.t

9º lugar- António Carvalho (W52-FC Porto) m.t

10 º lugar- De Mateos (Ludofoods- Louletano Aviludo) m.t

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorA história e os factos da Supertaça
Próximo artigoBelenenses SAD 0-1 CD Santa Clara: Golo de penalti apura açorianos
O André é licenciado em Marketing e Publicidade e um fã incondicional de ciclismo. Começou desde pequeno a ter uma paixão pelo desporto, através do futebol. Chegava a saber os plantéis de todas as equipas da Primeira Liga! Com o tempo, abriu-se o horizonte e o interesse para outros desportos, como o Ciclismo, o Futsal e, mais recentemente, a NBA. Diz que no Ciclismo existem valores e táticas que mais nenhum desporto possui e ambiciona um dia ter a oportunidade de assistir ao vivo a um evento deste calibre.                                                                                                                                                 O André escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.