A etapa número cinco marcava a ligação entre Oliveira do Hospital e a Guarda, numa extensão de 158 quilómetros. Etapa com bastante calor para os ciclistas, o que levava a uma atenção redobrada na hidratação. Três contagens de montanha, uma quarta categoria em Canas de Senhorim, segunda categoria na Guarda e a última contagem a coincidir com a meta na Guarda, esta de terceira categoria. As metas volantes estariam presentes em Nelas, Gouveia e Celorico da Beira.

Esta é a sétima chegada à Guarda, que a Volta a Portugal faz. A última foi em 2017, etapa ganha por Amaro Antunes. Este ano foi a vez do italiano Marco Tizza carimbar com a vitória na subida final da Guarda.

Fonte: Volta a Portugal

Esta etapa ficou marcada pelo sucesso da fuga, com oito ciclistas em destaque. Houve muitas equipas interessadas em estar na frente da corrida, no entanto, a fuga só conseguiu escapar do pelotão depois dos 50 quilómetros decorridos.

Alejandro Marque e David Livramento (SCP-Tavira), Marco Tizza (Amore&Vita-Prodir), João Matias (Vito-Feirense-PNB), Óscar Sevilla (Medellín), Domingos Gonçalves (Caja-Rural), Thibault Guernalec (Team Arkéa-Samsic) e Zakary Dempster (Israel Cycling Academy) marcaram a fuga do dia.

O ritmo do pelotão era baixo, sem que a W52-FC Porto tivesse a preocupação de perseguir, visto que os homens da frente estavam muito atrasados na geral individual. A diferença ultrapassou os cinco minutos e a Rádio Popular Boavista colocou-se ao trabalho. Quando a formação boavisteira se afastou da frente do pelotão, a fuga estabilizou a vantagem e percebeu-se aqui, que provavelmente iria vingar.

Muitas equipas passaram pela frente, mas nenhuma procurou assumir o trabalho em definitivo na frente do pelotão. Algumas equipas com sprinters tinham homens na frente, logo não procuraram trabalhar para que o final fosse realizado ao sprint.

No grupo dos fugitivos, o italiano Marco Tizza foi o destaque. Escapou dos seus colegas na subida final, sem que estes conseguissem alcançar a sua roda novamente. Marque ainda tentou agarrar o ciclista da Amore & Vita, mas revelou-se uma tarefa árdua. No final foi Tizza quem festejou, dando a segunda vitória na Volta a Portugal à formação letã.

Em segundo lugar ficou Marque, ele que foi um dos azarados da etapa da Torre, onde perdeu mais de oito minutos para os primeiros. No último lugar do pódio ficou Zakari Dempster, que chegou 23 segundos atrasado.

Anúncio Publicitário
Na subida final, os homens do pelotão e da geral, colocaram-se na frente com o intuito de não perderem tempo. A equipa portista acelerou o ritmo, mas foi incapaz de segurar Jóni Brandão que recuperou dois segundos em relação a Gustavo Veloso, ganhou quatro segundos a De Mateos e a João Rodrigues.

Gustavo Veloso mantém a liderança da amarela no final do dia, com 15 segundos de vantagem para o seu colega João Rodrigues. Em terceiro lugar aparece De Mateos a 22 segundos, seguido pelos dois homens da Efapel, Jóni Brandão a 25 segundos e Henrique Casimiro a 45 segundos. Depois vem Edgar Pinto, mas já leva mais de 1 minuto de atraso.

Daniel Mestre (W52-FC Porto) lidera a camisola dos pontos, Emanuel Duarte (LA Alumínios) continua com a camisola branca da juventude. David Ribeiro passou para primeiro lugar na montanha e a W52-FC Porto lidera na classificação por equipas.

Amanhã será dia de descanso na Volta, com a competição a voltar na quarta-feira, com a etapa entre Torre de Moncorvo e Bragança.

Top 10 da etapa 5:

1º Marco Tizza (Amore & Vita- Prodir) 4h:02m:53s

Alejandro Marque (Sporting-Tavira) +0:11s

Zak Dempster (Israel Cycling) +0:23s

Guernalec (Arkéa-Samsic) +0:28s

João Matias (Vito-Feirense-Pnb) +0:30s

Óscar Sevilla (Medellín) +0:33s

Domingos Gonçalves (Caja-Rural) +0:43s

8º David Livramento (Sporting-Tavira) +1m:34s

Jóni Brandão (Efapel) +1m:44s

10º Gustavo Veloso (W52-FC Porto) +1m:46s

1
2
Artigo anteriorVitória, vitória, vai começar a história!
Próximo artigoUFC Newark: Covington domina e aquece a divisão
O André é licenciado em Marketing e Publicidade e um fã incondicional de ciclismo. Começou desde pequeno a ter uma paixão pelo desporto, através do futebol. Chegava a saber os plantéis de todas as equipas da Primeira Liga! Com o tempo, abriu-se o horizonte e o interesse para outros desportos, como o Ciclismo, o Futsal e, mais recentemente, a NBA. Diz que no Ciclismo existem valores e táticas que mais nenhum desporto possui e ambiciona um dia ter a oportunidade de assistir ao vivo a um evento deste calibre.                                                                                                                                                 O André escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.