Cabeçalho modalidadesChris Froome (Team Sky) fez história, Alberto Contador (Trek-Segafredo) acabou carreira e a Vuelta presenteou-nos com uma das melhores Grandes Voltas dos últimos anos. Por isso, é tarefa difícil escrever esta crónica, pois por mais que se escreva, faltará sempre alguma coisa, mas também dificilmente se acrescentará algo que faça desta Vuelta mais do que a forma como a simples frase com que comecei a descrevê-la.

Após vencer o Tour, o britânico entrou na Vuelta com o pé direito e ao terceiro dia, assumiu a liderança da prova, que nunca mais viria a ceder, e durante os 21 dias apenas na subida a Los Machucos aparentou fragilidades, beneficiando também de ter a melhor equipa em prova, com Wout Poels e Mikel Nieve a estarem ao seu nível como excelentes escudeiros de montanha, e o jovem estreante em Grandes Voltas, Gianni Moscon, a revelar-se como um prodígio todo o terreno.

Apesar deste domínio, como a vantagem nunca cresceu demasiado e havendo várias lutas por lugares de honra no podium e no top 10, as muitas etapas de montanha foram repletas de ataques. O colombiano Miguel Angel Lopez (Astana) destacou-se entre os demais, vencendo duas etapas e finalizando nos dez melhores da geral.

‘El Pistolero’ despediu-se do ciclismo com uma exibição inspiradora Fonte: Trek-Segafredo
‘El Pistolero’ despediu-se do ciclismo com uma exibição inspiradora
Fonte: Trek-Segafredo

Mas o brilho maior foi mesmo o de Alberto Contador. Na sua despedida, e sempre acarinhado pelos milhares que na berma da estrada seguiam a Vuelta, o espanhol não perdeu uma oportunidade de mexer com a corrida e viria a coroar o seu esforço com a vitória na penúltima etapa, no cimo do mítico L’Angliru.

No que aos caça etapas diz respeito, Matteo Trentin (Quick-Step Floors) levou para casa quatro das seis da sua equipa e subiu a um novo patamar de respeito no pelotão internacional. No entanto, não foi capaz de vencer a classificação por pontos, perdendo por apenas dois para Froome que, insolitamente, disputou o sprint compacto da chegada final a Madrid, para levar de vencida a Camisola Verde. Quem também marcou a corrida foi a equipa da Lotto Soudal que, sempre através de fugas bem sucedidas, alcançou quatro vitórias de etapa.

Anúncio Publicitário