O jovem ciclista belga é um dos nomes mais sonantes da atualidade no que toca ao mundo velocipédico. Aos 20 anos, Remco Evenepoel já é apelidado de “novo Eddy Merckx”, que é considerado o melhor ciclista de todos os tempos.

Há cerca de três anos, Remco abandonou a sua carreira de futebolista, passando pelo RSC Anderlecht e pelo PSV Eindhoven, para se dedicar ao ciclismo. Acabou mesmo por representar as camadas jovens da seleção nacional belga. Em 2018, conquistou 23 vitórias, em provas de juniores, incluindo os títulos de Campeão do Mundo, Campeão da Europa e Campeão Nacional belga de contrarrelógio e estrada. Remco venceu a prova de fundo do Campeonato de Europa, em Zlín, com 9m44s de diferença para o segundo classificado!

Em 2019, o jovem ciclista assinou um contrato profissional com a melhor equipa do ranking UCI, a Deceuninck-Quick-Step. Foi o melhor jovem na Vuelta a San Juan, venceu o Baloise Belgium Tour, ganhou uma etapa na Adriatica Ionica Race, a clássica San Sebastián e foi Campeão Europeu de contrarrelógio na categoria de elite! No Campeonato do Mundo de contrarrelógio tentou repetir o feito, mas acabou na segunda posição, apenas atrás de Rohan Dennis.

Em 2020, conta já com duas provas realizadas e duas vitórias na classificação geral. O equivalente a 12 dias de corrida, três vitórias em etapas (dois contrarrelógios), duas camisolas amarelas e duas camisolas da juventude.

Anúncio Publicitário

O jovem prodígio veio para dar show no Algarve e acabou por ser o mais forte, depois de cinco dias de competição. Venceu no Alto da Fóia, sofreu no Malhão e bateu Rohan Dennis no contrarrelógio, com classe de graúdo, levando para casa mais uma geral.

Remco Evenepoel terminou em 1.º da geral na Volta ao Algarve

O ciclista belga já tem alguns objetivos traçados para esta época: Tirreno Adriático, as clássicas das Ardenas, o Giro de Itália e o contrarrelógio dos Jogos Olímpicos. Até onde pode ir este menino de ouro no futuro? Será um nome para vencer uma Grande Volta?

Foto de Capa: Deceuninck-Quick-Step

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários