spot_imgspot_img

    Ricardo Mestre é o grande vencedor do GP Jornal de Notícias

    Mais uma edição do GP Jornal de Notícias, sendo esta a 29ª edição. A prova começou com um prólogo de 6.2km em Monção. Rafael Reis acabou por ser o homem com o melhor tempo e arrecadou a camisola amarela no primeiro dia, para a W52-FC Porto. Joni Brandão esteve perto do tempo de Rafael, mas usou mais dois segundos. António Carvalho, vencedor da edição passada, gastou mais três segundos que o seu colega de equipa. Rafael Reis que é especialista neste tipo de percurso, fez um tempo de 8m07s, a uma média de 45,832 km/h. Nota ainda para o facto da W52 ter colocado toda a sua equipa nos 13 primeiros!

    Na primeira etapa em linha, tivemos a chegada a Viana do Castelo. Com uma esperada chegada ao sprint, o português João Matias, da Vito-Feirense-PNB foi o homem mais rápido. Leangel Linares( Kuota C.P) e Daniel Mestre completaram o pódio final. Rafael Reis nesta segunda etapa manteve-se líder da prova, visto que os homens da geral chegaram sem qualquer percalço. Nesta etapa Paulo Silva conquistou a camisola da montanha.

    Na etapa seguinte, tivemos um tempo chuvoso e friorento, o que poderia dificultar a vida aos ciclistas. Uma etapa com 178,4 quilómetros entre Viana do Castelo e Ovar. A chegada foi feita com um sprint muito técnico, em que Leangel Linares foi o melhor na meta, o venezuelano que corre na Kuota/Construciones Paulino, em segundo ficou Rafael Silva e João Matias ocupou o terceiro lugar. A liderança foi mantida por Rafa Reis, somando assim o terceiro dia de amarelo.

    Com a etapa três, chegou a revolução da geral individual. Era uma etapa curta, de apenas 70.6 kms. Foi uma etapa em que a fuga vingou, em que nomes como: Ricardo Mestre, Vicente De Mateos, Daniel Silva, Fabricio Ferrari, Alejandro Marque, Raúl Rico, Filipe Cardoso e Rafael Lourenço saíram do pelotão. Os nomes da fuga eram de alto valor e com isto a Efapel teve que trabalhar no pelotão para tentar reduzir as diferenças. Os fugitivos chegaram com 2:05m  de vantagem para o grupo principal.

    O sprint entre os fugitivos aconteceu ainda bastante longe da meta, Rafael Lourenço parecia que ia ganhar, chegando mesmo a levantar os braços, mas Vicente de Mateos deu um impulso final na sua bicicleta, vencendo por centímetros. Com isto o homem da Aviludo-Louletano conquistou a desejada amarela. No entanto, tinha apenas dois segundos de vantagem para Ricardo Mestre e oito para Marque.

    Na parte da tarde, para completar a etapa três, houve um trajeto de 9.6km para os ciclistas, através de um contrarrelógio coletivo. A W52-FC Porto completou o percurso em 11m03s a uma média de 52,127 km/h. A segunda classificada foi a Efapel, que gastou mais onze segundos e no terceiro lugar ficou o Sporting-Tavira a 18 segundos do primeiro. A Aviludo-Louletano fez apenas sétimo lugar e somou mais 55 segundos que a W52, sendo assim, Ricardo Mestre saltou diretamente para o primeiro lugar. Rafael Lourenço manteve-se como líder da juventude, Leangel Linares confirmou-se como o primeiro nos pontos e Paulo Silva (Fortunna/Maia) ficou na frente da camisola de montanha no final do dia. Por equipas, a W52 com este contrarrelógio afirmou o seu estatuto de primeiro lugar.

    Show de Joni Brandão estava prestes a começar
    Fonte: Federação Portuguesa de Ciclismo

    Na quarta etapa, tivemos um ataque solitário de Joni Brandão a cinquenta quilómetros da meta, que lhe deu a vitória. A etapa no geral foi muito controlada pela W52-FC Porto, nunca deixando ultrapassar os dois minutos de vantagem. Na segunda subida de primeira categoria, Joni lançou um ataque, fazendo a ponte para a frente de corrida, onde teve ajuda do seu companheiro Bruno Silva. No final, o grupo ficou bastante reduzido pelo ritmo imposto pelos portistas, mas mesmo assim, não conseguiram alcançar Joni, chegando doze segundos depois do homem da Efapel. Joni subiu a oitavo na geral, a 1m43s de Ricardo Mestre. Com isto ainda somou o prémio de combatividade e arrecadou a camisola dos pontos.

    Depois de ter ganho em Valongo, Joni Brandão foi o melhor na cronoescalada de 7,1 quilómetros, entre Santo Tirso e o alto da Senhora da Assunção. O atleta da Efapel fez a escalada em 14m59s a uma média de 28,432 km/h. Edgar Pinto foi o segundo, a nove segundos e António Carvalho fez terceiro, a 17 segundos, Mestre fez quarto lugar, ficando a 33 segundos de Joni, mantendo assim a amarela. Na geral, Mestre seguia em primeiro lugar, com um minuto de vantagem para Marque (Sporting-Tavira) e para Joni Brandão. O ciclista da Efapel estava em clara luta contra o prejuízo, visto que os homens que estavam à sua frente conquistaram a vantagem através da fuga na etapa três.

    A última etapa chegava e a W52 sabia que tinha de controlar a corrida. A única fuga nesta etapa, aconteceu quando já se tinham corrido 120 quilómetros! A equipa portista não deu tréguas às investidas dos rivais. A fuga ganhou perto de cinco minutos, mas o tempo foi reduzido drasticamente no final.

    O grupo já estava extremamente reduzido na parte final e a Efapel entrou ao trabalho para Joni Brandão tentar a sua derradeira investida, para assaltar a camisola amarela. A dois quilómetros do fim, o líder da Efapel atacou e cortou a meta isolado, conquistando a terceira vitória consecutiva e fazendo jus ao ditado, “não há duas sem três”. O espanhol, António Gómez fez segundo, a seis segundos e Daniel Silva fez terceiro, a oito segundos. Ricardo Mestre fez quarto lugar, com o mesmo tempo de Daniel Silva e sendo assim defendeu bem o seu primeiro lugar da geral individual, garantindo assim a renovação do título da W52 nesta prova, visto que na edição de 2018, António Carvalho foi o vencedor.

    No final, Ricardo Mestre acabou com menos 36 segundos do que Joni e menos 59 do que Alejandro Marque do Sporting-Tavira. Além da camisola amarela, a W52 ganhou por equipas. Joni Brandão ganhou a camisola verde dos pontos e das metas volantes, Bruno Silva ganhou a camisola da montanha e Rafael Lourenço (Oliveirense/InOutBuild) ganhou a camisola da Juventude.

    Top 10 final:

    1. Ricardo Mestre (W52-FC Porto) 20:33:24
    2. Jóni Brandão (Efapel) + 36s
    3. Alejandro Marque (Sporting-Tavira) + 59s
    4. Edgar Pinto (W52-FC Porto) +1m:28s
    5. António Carvalho (W52-FC Porto)+ 1m:32s
    6. Daniel Silva (Rádio Popular Boavista) + 1m:41s
    7. Filipe Cardoso (Vito/Feirense PNB) + 2m:26s
    8. Rafael Lourenço (UD Oliveirense/InOutBuild) +2m:32s
    9. Fabricio Ferrari (Efapel) + 2m:33s
    10. Frederico Figueiredo (Sporting-Tavira) + 2m:42s

    Foto de Capa: Federação Portuguesa de Ciclismo

    - Advertisement -
    spot_img

    Subscreve!

    Artigos Populares

    Luiz Gustavo: «A presença de Cristiano torna os jogos mais difíceis»

    Luiz Gustavo, médio brasileiro de 35 anos do Al-Nassr,...

    Confirmada a saída de avançado da AS Roma para a Turquia

    Está resolvida a questão de Nicolò Zaniolo. A AS...

    Sevilla CF apresentou proposta por defesa do San Lorenzo

    O defesa argentino de 23 anos de idade interessa...

    FC Inter aciona opção de compra por jovem médio

    Tem apenas 20 anos de idade, mas já conta...

    Basileia da Suíça anuncia saída do treinador-principal

    O FC Basel anunciou a saída do treinador-principal, Alex...
    André Filipe Antunes
    André Filipe Antuneshttp://www.bolanarede.pt
    O André é licenciado em Marketing e Publicidade e um fã incondicional de ciclismo. Começou desde pequeno a ter uma paixão pelo desporto, através do futebol. Chegava a saber os plantéis de todas as equipas da Primeira Liga! Com o tempo, abriu-se o horizonte e o interesse para outros desportos, como o Ciclismo, o Futsal e, mais recentemente, a NBA. Diz que no Ciclismo existem valores e táticas que mais nenhum desporto possui e ambiciona um dia ter a oportunidade de assistir ao vivo a um evento deste calibre.
    Bola na Rede