Ao terceiro mês do ano, está finalmente de regresso o World Tour feminino, que volta a arrancar com uma das mais belas provas da época, a Strade Bianche. Serão 136 quilómetros bem duros, com a tradicional chegada a Piazza del Campo.

O percurso é o habitual, o que nos faz apaixonar por esta clássica italiana, com oito setores de sterrato e muito sobe e desce, garantindo uma corrida dura e que certamente chegará à fase final já com o pelotão feito em pedaços.

Para determinar a grande vencedora, o último quilómetro reserva a íngreme subida a Via Santa Caterina, que tanto pode servir como festa de consagração ou como palco para o despique final, caso aí chegue mais de uma atleta no comando.

A grande esperança dos adeptos da casa, a vencedora em 2017, Elisa Longo Borghini, estará ausente por doença, deixando as esperanças italianas a cargo de segundas linhas. Elena Cecchini e Soraya Paladin serão as que têm mais ambições e já mostram em 2019 estar a começar a temporada em boa forma. A jovem Nadia Quagliotto e a veterana Tatiana Guderzo são outros nomes a ter em conta.

Sem Longo Borghini, a maior favorita é a polaca Katarzyna Niewiadoma, segunda classificada nas três últimas edições da prova, que costuma brilhar no início do ano e neste tipo de provas por um dia. O percurso é feito à sua medida e parece só uma questão de tempo até finalmente vencer.

Já a sua maior adversária tudo indica que poderá ser a ex-campeã do Mundo, Chantal Blaak, outra atleta a quem o roteiro assenta bem e que já se mostrou forte com a vitória na Omloop no passado fim-de-semana. Incluída na melhor equipa feminina do mundo, terá entre as colegas a atual campeã mundial e detentora do título da Strade Bianche, Anna van der Breggen. Breggen também é uma forte possibilidade para triunfar e dá à Boels-Dolmans a possibilidade de jogar taticamente.

Favoritismo duplo para a Boels-Dolmans com van der Breggen e Blaak
Fonte: Strade Bianche

Depois de uma grave lesão, Annemiek van Vleuten regressou à competição no passado fim de semana e esteve logo entre as melhores, pelo que terá condições para lutar pela vitória. Ainda assim, a Mitchelton-Scott também joga com mais que uma carta e tem em Amanda Spratt uma aposta segura para estar entre as melhores.

Após uma excelente época de Ciclocrosse, Marianne Vos começará aqui a sua época e parte como uma das favoritas, ao lado da colega Ashleigh Moolman. Com caraterísticas bem diferentes, a holandesa e a sul-africana podem fazer um par interessante para colocar a CCC na disputa dos lugares cimeiros.

Entre as restantes equipas há que mencionar também a Team Sunweb e a Trek – Segafredo, conjuntos equilibrados e com alguns nomes interessantes, liderados, respetivamente, por Lucinda Brand e Ellen van Dijk, bem como Cicilie Uttrup Ludwig, que será a chefe de fila da Bigla Pro cycling.

Será certamente mais uma épica batalha pelas estradas da Toscana para decidir a primeira líder do world Tour 2019 e a quinta a conquistar esta que se está muito rapidamente a transformar numa das mais importantes provas do calendário.

Favoritas

*** Chantal Blaak, Katarzyna Niewiadoma

** Amanda Spratt, Lucinda Brand, Marianne Vos

* Ashleigh Moolman, Annemiek van Vleuten, Anna van der Breggen

Texto revisto por: Mariana Coelho

Foto de Capa: Strade Bianche

Comentários