A terceira prova do World Tour vê o pelotão de regresso a terras transalpinas para disputar um acidentado Trofeo Alfredo Binda. Falamos de uma prova histórica, disputada desde 1974. Maria Canins é a recordista com quatro vitórias, apenas mais uma que Marianne Vos.

Num percurso de 131 quilómetros, os primeiros são feitos a rolar, mas após a primeira passagem pela meta há que enfrentar a dificuldade inicial, a subida a Cunardo (3,8 quilómetros a 4,7% de pendente média).

Aos 61 quilómetros de corrida, entramos no circuito final, que as atletas percorrerão quatro vezes, e que inclui uma pequena subida não categorizada e a passagem por Orino (3,4 quilómetros a 4,1% de pendente média). É de esperar que surjam várias ofensivas nesta parte final, mas só a última volta costuma ser decisiva.

Em 2018, após uma prova muito atacada, foi na última volta que Katarzyna Niewiadoma desferiu o ataque decisivo, vencendo em solitário com 23s sobre um grupo perseguidor de nove elementos. No entanto, nem sempre há tantas diferenças e 2017 é um bom exemplo disso, quando Coryn Rivera triunfou ao sprint num grupo com mais de 20 ciclistas.

Niewiadoma volta a estar à partida como uma das favoritas e a Canyon SRAM conta ainda com Cecchini e Amialiusik como boas segundas opções. Marianne Vos também regressa a Cittiglio para tentar igualar o recorde de Canins, partilhando a liderança da CCC-Liv com Ashleigh Moolman-Pasio, que já cimentou o seu lugar entre as melhores do mundo, mas continua em busca de uma icónica vitória.

A última italiana a celebrar aqui foi Elisa Longo Borghini em 2013 e continua a ser uma das grandes candidatas. A sua colega Jollanda Neff também deverá estar debaixo de olho. Especialista do MTB, foi terceira nesta prova na sua primeira passagem pela Estrada e, dois volvidos, está de volta pela Trek-Segafredo.

A líder do World Tour, Marta Bastianneli também quererá dar seguimento à boa forma, mas é a líder por equipas, a Boels-Dolmans, que mais precisa de uma vitória, trazendo para isso Chantal Blaak como chefe-de-fila.

Merino é uma das opções para a Movistar tentar surpreender
Fonte: Vélofocus/Movistar Team

Ainda entre as principais favoritas contam-se Amanda Spratt, que vem bem acompanhada por Lucy Kennedy e Grace Brown, e a Team Sunweb de Coryn Rivera e Leah Kirchmann.

Já como outsiders, há que não esquecer Arlenis Sierra, Cecilie Uttrup Ludwig e as várias opções da Movistar Team.

Na luta pela camisola da Juventude do World Tour, a luta também deverá ser interessante, já que das seis ciclistas que já pontuaram, apenas Amber van der Hurst não deverá estar à partida. Neste particular, será também de acompanhar a estreia na prova de Elites de Georgi Pfeiffer, vencedora do Piccolo Trofeo Alfredo Binda em 2018.

Favoritas

*** Katarzyna Niewiadoma, Chantal Blaak

** Marta Bastianelli, Elisa Longo Borghini

* Marianne Vos, Ashleigh Moolman-Pasio, Coryn Rivera

Foto de Capa: Trofeo Alfredo Binda

Comentários