A CRÓNICA: VETERANO VELOSO AINDA SABE VENCER

Fafe acolheu as primeiras pedaladas da Volta a Portugal 2020 com um prólogo mais longo que o habitual. Os sete quilómetros na sala de visitas do Minho já permitiram as primeiras diferenças entre os homens que almejam conquistar a Grandíssima.

Se o perfil da etapa parecia indicar uma jornada própria para os roladores, a realidade na estrada foi ligeiramente diferente, com a parte final do esforço individual contra o relógio a incluir uma subida bem mais inclinada no asfalto que o que fazia adivinhar a altimetria.

Desde cedo, foram os atletas da W52/FC Porto a colocar-se na cadeira quente de líder da etapa, com Samuel Caldeira a fazer o primeiro tempo de referência, que seria batido mais tarde por Daniel Mestre. Novamente, seria um colega a destronar o líder. Gustavo Cesar Veloso, o mais velho em prova e já com duas Gerais da Volta no currículo, mostrou que continua a ser um dos reis do crono no pelotão nacional e estabeleceu aquele que seria o tempo vencedor, mesmo com Rafael Reis a aproximar-se e terminar segundo a somente um segundo.

Veloso veste também de amarelo e o terceiro da Volta 2019 já ganhou tempo aos oponentes. António Carvalho (+6s), Jóni Brandão (+7s), João Rodrigues (+8s) e Vicente De Mateos (+12s) também figuraram entre os dez melhores, mas houve quem já perdesse tempo considerável, com ciclistas como Amaro Antunes (+32s), João Benta (+36s) e David Rodrigues (+48s) a começarem com o pé esquerdo.

Anúncio Publicitário

Foto de capa: Federação Portuguesa de Ciclismo