Cabec¦ºalho ciclismo

Terminou mais uma prova daquela que poderá ser considerada a corrida com mais prestígio internacional, em Portugal. Geraint Thomas, ciclista britânico da Sky, pelo segundo ano consecutivo, venceu a prova algarvia, sendo que o alemão Marcel Kittel foi o “rei dos sprints” e venceu as duas etapas dedicadas a essa “categoria”. O espanhol Alberto Contador, no seu último ano como ciclista, conseguiu, além da vitória na última etapa de montanha, chegar ao pódio desta Volta ao Algarve, devido, igualmente, à tal vitória na subida ao Malhão.

Previa-se que a primeira etapa, com uma típica chegada ao sprint, em Albufeira, fosse tranquila e sem grandes incidentes. Ainda assim, na parte final, duas quedas acabaram por intranquilizar o pelotão, mas não impediram o favorito Marcel Kittel de vencer mais uma etapa, juntando às quatro que já tinha e à conquista da classificação geral no Dubai, mantendo este início muito forte da sua parte e perspetivando realmente uma grande época. Nem a concorrência de Andre Greipel, o ciclista mais regular em 2015, “cortou” as ambições de Kittel. Jasper Stuyven, homem da Trek, fechou o pódio nesta etapa.

A segunda etapa trouxe a primeira dificuldade montanhosa da prova. A terminar em Fóia, o final de etapa foi realmente muito bem disputado e Luis Leon Sanchez “tirou” uma vitória quase certa ao bicampeão desta prova Geraint Thomas, que ficou em segundo. A completar o pódio, uma das grandes surpresas desta prova (terminou esta volta no 5.º lugar, à frente de homens como Gallopin, Zakarin, Pantano ou Aru): Primoz Roglic, ciclista da Lotto NL-Jumbo, que, curiosamente, passou de ser um saltador de esqui para o ciclismo. Nesta Volta ao Algarve, mostrou ser um ciclista de qualidade, consistente na montanha, mas com algumas arestas por limar no contrarrelógio. De qualquer das formas, é alguém para ir acompanhando; vamos ver o que o futuro lhe traz.

Kittel consegue a sua primeira de duas vitórias ao sprint nesta Volta ao Algarve  Fonte: Volta ao Algarve
Kittel consegue a sua primeira de duas vitórias ao sprint nesta Volta ao Algarve
Fonte: Volta ao Algarve

Ciclistas como Izaguirre (“medalha de prata” no final desta Volta ao Algarve), o português Tiago Machado – que também fez uma boa prova, apesar de que eu esperava um pouco dele – ou Thibaut Pinot seguiram-se ao esloveno. Mas, talvez a maior surpresa e o grande destaque português desta prova, Amaro Antunes também fez uma grande classificação e terminou em 7.º na etapa. Mais para a frente, destacarei melhor a maior sensação da Volta ao Algarve deste ano.

Anúncio Publicitário

Infelizmente, durante o contrarrelógio da terceira etapa, Leon Sanchez, que partia com a camisola amarela devido à vitória no dia anterior, numa parte do percurso, cortou demasiado na curva, passou por uma zona de gravilha e caiu. Acabou mesmo por abandonar, para mal do espetáculo desta prova, até porque o espanhol estava a ter um muito bom início de temporada e, se tudo tivesse corrido bem neste dia, provavelmente teria sido um dos candidatos a vencer esta prova, visto que também é um ciclista que demonstra qualidade no CR e que, na última etapa, acredito que voltasse a fazer mais uma boa “exibição” na montanha.

Passando para os resultados nessa etapa, como previsto, Fabian Cancellara e Tony Martin tiveram uma grande disputa pelo primeiro lugar, com o alemão a fazer melhor tempo intermédio, mas vemos o suíço, no final, a recuperar bem o tempo perdido e a bater finalmente Tony Martin, algo que pouco tem acontecido nos últimos anos. O ciclista da Trek, no seu último ano em competição, parece focado em fazer um grande ano e as clássicas estão quase aí para vermos o “Spartacus” a tentar terminar da melhor forma uma excelente carreira. Geraint Thomas, como era expetável, foi o melhor dos restantes elementos do pelotão. Há que destacar a prova da Movistar, que teve quatro ciclistas entre os sete primeiros do contrarrelógio (Izaguirre, Castroviejo, Dowsett e o português Nelson Oliveira, que fez mais uma boa prova).

Cancellara venceu mais um contrarrelógio na sua já longa e excelente carreira, que terminará esta época Fonte: Volta ao Algarve
Cancellara venceu mais um contrarrelógio na sua já longa e excelente carreira, que terminará esta época
Fonte: Volta ao Algarve

Na quarta etapa, mais uma chegada ao sprint, mais uma vitória para Marcel Kittel. Desta vez, devido a problemas para Greipel, sem a concorrência do seu maior adversário. Ainda assim, boa réplica de Wouter Wippert, sprinter da Cannondale, e do “substituto” de Greipel para o final desta etapa, Jens Debusschere. Boa etapa também para Samuel Caldeira, ciclista da W52-FC Porto, que ficou em 9.º lugar.

Chegada a última e decisiva quinta etapa, Tony Martin partia com a camisola amarela e previa-se uma grande luta entre os candidatos a vencer, sendo que se esperava que o próprio alemão pudesse intrometer-se nessa mesma luta, visto que, apesar de ser um excelente contrarrelogista, também sabe “trepar” e já fez grandes etapas assim. Apesar disso, não foi o dia do alemão e acabou por perder mais de 18 minutos para o vencedor da etapa. Vencedor esse que foi o espanhol Alberto Contador, vencedor de múltiplas Grandes Voltas e ciclista que também se irá retirar nesta época, para infelicidade de muitos adeptos do ciclismo.

Alguns dos favoritos para esta etapa deixaram escapar um dos seus grandes adversários, neste caso, Contador, sendo que o espanhol da Tinkoff aproveitou isso e não desperdiçou a hipótese de vencer esta etapa e, dependendo do tempo de Geraint Thomas, até podia mesmo ter vencido a geral individual. Mas o ciclista britânico vinha a controlar bem os acontecimentos e não deixou escapar a segunda vitória seguida na Volta ao Algarve, com 5.º lugar na etapa a 28 segundos de Contador. O pódio foi para três dos melhores ciclistas da atualidade, principalmente em Grandes Voltas: o já referido Alberto Contador, o segundo lugar para Fabio Aru, ciclista que irá “inverter os papéis” com Nibali e enfrentar a dura concorrência do Tour, e o terceiro lugar para o francês Thibaut Pinot.

Contador teve a merecida vitória no alto do Malhão Fonte: bttlobo.com
Contador teve a merecida vitória no alto do Malhão
Fonte: bttlobo.com

Mas a maior surpresa do dia estava reservada para o quarto classificado da etapa: Manuel Amaro Antunes, português da LA Alumínios-Antarte. Foi quarto classificado na etapa, à frente do vencedor desta Volta ao Algarve e com o mesmo tempo de Aru e Pinot. Excelente etapa e Volta ao Algarve para um ciclista que está a demonstrar que pode ir para “outros voos”… Foi realmente a grande sensação da prova (talvez a par de Primoz Roglic ou com o esloveno um pouco atrás do português no que a esse aspeto diz respeito) e o melhor representante do pelotão português, terminando no 10.º lugar da classificação geral. Com uma prestação notável, poderá até mesmo, quem sabe, ter assegurado um contrato numa equipa Pro-Continental ou World Tour, em 2017.

O top’15 desta Volta ao Algarve contou com quatro portugueses: o já referido Amaro Antunes, em 10.º, Tiago Machado, em 11.º, Nelson Oliveira, 13.º, e Ricardo Vilela, com o 15.º lugar. Nem o Tiago Machado nem o Nelson Oliveira conseguiram ter uma posição no top’10 (dos portugueses, eram aqueles que se previa que pudessem fazer um melhor resultado), mas, mesmo assim, fizeram uma boa prova. Curiosamente, foi o próprio Amaro o único português a conseguir terminar nos dez melhores, o que diz muito da grande prova que realizou, e deixou realmente boas expetativas para o futuro.

Em relação às participações do Sporting-Tavira e da W52-FC Porto, é de destacar o facto de a equipa do Sporting ter sido a melhor equipa portuguesa em prova, sendo que Rinaldo Nocentini, como se previa, foi mesmo o melhor da equipa, terminando a prova no 29.º lugar. De la Fuente também se foi mostrando, não só na primeira etapa, ao sprint, mas também em tentativas de fugas. A equipa do Porto mostrou-se pouco (ainda assim, conseguiu um bom resultado numa das etapas ao sprint, com Samuel Caldeira, tal como foi referenciado) e acabou a Volta ao Algarve como a segunda pior equipa em termos de tempo. Rui Vinhas foi o melhor classificado da equipa, na 31.ª posição.

O pódio desta Volta ao Algarve: Thomas, Izaguirre e Contador  Fonte: Volta ao Algarve
O pódio desta Volta ao Algarve: Thomas, Izaguirre e Contador
Fonte: Volta ao Algarve

Tivemos, assim, uma Volta ao Algarve em grande nível, com alguns dos melhores ciclistas da atualidade, com a participação de dois dos melhores ciclistas, provavelmente, de sempre, e ambos irão retirar-se da modalidade neste ano, sendo que as participações das equipas portuguesas ficaram um pouco aquém, apesar de termos tido um português de uma equipa portuguesa como a maior sensação ou a maior surpresa da prova, e de termos expetativas mais elevadas para o futuro de um ciclista que já tinha mostrado qualidade, mas não a este nível. Sem dúvida, foi realmente uma decisão infeliz, a da não transmissão desta prova, por imensas razões, algumas delas já explanadas, outras que se percebem por tudo o que fui escrevendo ao longo deste artigo.

Queria só terminar por acrescentar que o primeiro BnR Modalidades, o podcast para as modalidades do Bola na Rede, irá sair brevemente; desde já é de destacar que o ciclismo foi a primeira modalidade a ter a sua presença neste programa e a Volta ao Algarve, como é normal, foi um dos temas dominantes, mas também abordámos mais alguns assuntos (poucos, ainda assim, devido ao tempo disponível). E, apesar de ter sido a primeira vez, existe, para mim, um sentimento mais confortável e seguro com a escrita e não tanto a falar para a rádio, portanto, existem algumas brechas, que, com a experiência, espero eu, possam ficar melhores e tenham cada vez mais e melhor qualidade, para que todos vocês, os nossos leitores, mais propriamente, neste caso, os de ciclismo, possam ter melhores programas ao longo dos mais variados podcasts que irão ser feitos. Desde já, se ainda não ouviram, ouçam realmente o primeiro podcast do Bola na Rede dedicado às Modalidades.

Foto de Capa: bttlobo.com

Comentários