Cabeçalho modalidadesA competição portuguesa mais importante, em termos internacionais, começa já hoje e irá voltar a apresentar um percurso bastante diversificado e um pelotão cheio de qualidade para percorrer as estradas do sul de Portugal. Não irá ser um grupo de ciclistas com tanta qualidade, no geral, quanto os que temos visto nos últimos anos, mas iremos ter nomes fortes da modalidade e, mais importante, esta prova tem agora um outro reconhecimento.

É verdade… A Volta ao Algarve subiu, este ano, para a categoria 2.HC (categoria apenas abaixo da World Tour, a máxima no ciclismo) e passa, então, a ser a prova portuguesa mais importante, em termos hierárquicos, superando a Volta a Portugal. Outra excelente notícia é a transmissão em direto, pela primeira vez, desta corrida, na Eurosport – irá chegar a cerca de 68 milhões de pessoas, em 55 países! Entre as 16h00 e as 17h00, hora de Portugal Continental, poderão ver ciclismo ao mais alto nível.

A Algarvia, como costuma ser tratada pelas pessoas da região, apresenta uma real posição privilegiada no calendário internacional do ciclismo e condições atmosféricas agradáveis para qualquer praticante da modalidade, ajudando, assim, ao posicionamento da forma ideal de cada ciclista para enfrentar as grandes provas que ocorrerão daqui a uns tempos.

Anúncio Publicitário

Nesta 43ª edição, Geraint Thomas, o bicampeão em título, não estará presente para tentar o tri, logo, iremos ter um vencedor diferente dos últimos anos. Nomes como Daniel Martin (Quick-Step), Tony Martin (Katusha), Michal Kwiatkowski (Sky), Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo), Luis Leon Sanchez e Pello Bilbao (Astana) Natnael Berhane (Dimension Data), Tony Gallopin e Tiesj Benoot (Lotto Soudal), Sep Vanmarcke (Cannondale), Jonathan Castroviejo (Movistar), Jan Bartra (Bora) ou Alexander Foliforov (Gazprom), entre outros, poderão levantar este troféu, no final de cinco árduos dias. Em termos de equipas portuguesas, poderemos ter alguns nomes a intrometerem-se igualmente na vitória final, são os casos de Rúben Guerreiro (Trek), Sérgio Paulinho (Efapel), Amaro Antunes (W52-FC Porto).

Fonte: Tony Martin
O campeão do mundo de contra relógio é um dos favoritos
Fonte: Tony Martin

Quanto às equipas portuguesas e aos portugueses, é favor não descartar Ruben Guerreiro (Trek – Segafredo), Amaro Antunes (W52 – FC Porto), o regressado Sérgio Paulinho (Efapel), Edgar Pinto (LA Alumínios-Metalusa) ou os estrangeiros Rinaldo Nocentini (Sporting Clube de Portugal/Tavira) – neste caso, também Joni Brandão poderia ser mencionado, mas é mais provável que ele venha a esta prova para ganhar um maior ritmo e uma maior forma para o que irá ter nesta época e para tentar finalmente conquistar a Volta a Portugal – e  Vicente Garcia de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), que está em boa forma, tendo em conta os resultados mais recentes. Além destes nomes, também poderemos ter mais alguns a ter em conta para vencerem alguma etapa, como José Gonçalves, José Mendes, Tiago Machado ou Nélson Oliveira.