cab corfebol

É já esta quinta-feira de madrugada que o Clube Carnaxide Cultura e Desporto (CCCD) parte para Castrop Rauxel, na Alemanha, para participar na Europa Shield. Esta competição é destinada às equipas vice-campeãs dos Campeonatos Nacionais de Corfebol da Europa e é considerada por muitos o torneio mais competitivo do Corfebol Mundial.

Esta competitividade deve-se sobretudo ao facto de ser um torneio onde não participam os clubes dos campeonatos de topo (Holanda e Bélgica) nem os clubes dos campeonatos menos competitivos (Turquia, Rússia, França), o que faz que todos os jogos entre as oito equipas participantes sejam muito equilibrados e com uma enorme incerteza sobre o resultado.

Pela terceira vez consecutiva e quarta em cinco anos, o CCCD será o representante nacional na competição. Os resultados do clube de Carnaxide nas últimas participações levam a que haja alguma expectativa quanto ao possível desfecho da competição que termina este domingo:

Corfebol

Anúncio Publicitário

Tendo conquistado a primeira medalha internacional para o clube no ano transato, e tendo em conta a consecutiva melhoria de resultados nos últimos anos, facilmente poderíamos afirmar que o CCCD entraria na Europa Shield de 2016 com o objetivo de vencer. No entanto, este ano a equipa que estava junta há quatro anos sofreu algumas alterações, com as saídas de alguns jogadores muito importantes, como Bruno Amaral, Francisca Moncada e Maria João Banha. Os regressos de Marta Neves e Ricardo Guedes, afastado o ano passado por lesão, bem como o reforço do antigo internacional Tiago Gonçalves, vieram colmatar uma parte destas saídas, mas a verdade é que é uma equipa bastante diferente que vai regressar este ano aos pavilhões alemães.

Para já no campeonato interno não se têm notado diferenças, bem pelo contrário, visto que o CCCD segue no primeiro lugar empatado pontualmente com o NCB mas com vantagem no confronto direto, após terem vencido os penta-campeões por 18-14 na primeira volta do campeonato.

A equipa do Carnaxide que vai tentar vencer a Europa Shield
A equipa do Carnaxide que vai tentar vencer a Europa Shield

Relativamente a adversários a oposição é, como sempre, fortíssima, sendo os vencedores do ano passado, o BEC Korfball Club e o KC Barcelona, reforçados com o regresso de Berta Aloma após duas temporadas a jogar na Holanda, os principais favoritos à vitória final.

Na história da competição o clube com maior número de títulos (três) é o TJ Znojmo da Républica Checa, clube que está também presente na competição, tendo no entanto conquistado o último título já no distante ano de 2006.

Europa Shield : Ranking Top 5 da História
Europa Shield : Ranking Top 5 da História

Para esta competição o principal objetivo do CCCD será passar a fase de grupos e ter acesso às meias-finais pelo terceiro ano consecutivo, o que já será, por si só, inédito na história da competição. Repetir o resultado do ano passado e trazer a medalha para Portugal seria um feito incrível.

Mas numa competição tão equilibrada e competitiva, onde até os jogos são de apenas 34 minutos, tudo pode acontecer. A concentração colectiva, principalmente no início e final dos jogos, será fundamental, porque há muito pouca margem para recuperação. Demasiada ansiedade e incapacidade mental de dar rapidamente a volta a qualquer adversidade não podem existir. Mas isso é algo que a treinadora Carla Antunes está muito habituada a gerir. É algo que o CCCD está habituado a ultrapassar. E até pode ser que domingo seja dia do sonho, seja dia de… CarnaShield! Boa sorte!

Imagens: Clube de Carnaxide Cultura e Desportos

Artigo anteriorAustralian Open 2016: João Sousa soma e segue
Próximo artigoWRC 2016… Ou mais um passeio para Ogier
Professor, Treinador, Formador e Atleta, o João considera que fazer uma análise de um jogo sob o ponto de vista da arbitragem é o mesmo que fazer uma análise de política internacional sob o ponto de vista do cabelo do Donald Trump.                                                                                                                                                 O João não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.