Anterior1 de 2Próximo

Se o WRC teve no seu último rali, o rali da Sardenha, uma diferença entre o vencedor, Thierry Neuville, e o segundo posto, Sebastien Ogier, de 0.7s, a ronda que marca o meio do campeonato FIA ERC teve uma diferença ainda menor. Simos Galatariotis venceu o seu rali caseiro com uma diferença de 0.6s sobre os portugueses, Bruno e Hugo Magalhães. 

O Rali do Chipre marcou a quarta ronda do europeu de ralis. Contou com os habituais participantes na luta pela liderança, mas o incentivo foi a presença de Nasser Al- Attiyah, a bordo de um Ford Fiesta R5.

O primeiro dia viu Alexey Lukyanuk ser outra vez implacável e começar na liderança do rali, mas a passagem por cima de uma pedra não identificada nos reconhecimentos, fez com que o russo furasse e umas curvas mais à frente o russo acabaria por bater nos rails e acabar por perder a liderança e o comboio para lutar pela vitória. Quem aproveitou para se chegar à frente do rali foi Nasser Al-Alttiyah, que assim assumia a liderança, com cerca de 11s sobre o piloto caseiro Galatariotis, em Skoda Fabia R5. Na terceira posição seguia o novo protegido da Skoda, o finlandês de 21 anos, Juuso Nordgren, que cada vez mais mostra estar bastante forte no carro da marca checa.

Alexey Lukyanuk chegou ao Chipre após um má ronda na Acrópole, mas não conseguiu virar a sua sorte
Fonte: FIA ERC

Na especial seis, a última do primeiro dia de competição, Al-Alttiyah furou e acabou por perder a liderança para a jovem esperança finlandesa, Juuso Nordgren. Bruno Magalhães, devagar devagarinho e com o azar dos principais pilotos, o português estava agora no pódio a cerca de 9s do líder. 

Assim, o jovem finlandês liderava o rali, até que na especial nove, logo no ínicio capotou o Skoda Fabia R5, fruto da sua inexperiência. Para a próxima já sabe, com calma chega-se lá. Assim, o cipriota Galatariotis liderava o seu rali. A luta assim parecia entre o cipriota e o português. Mas alguém consegui recuperar e vir discutir, outra vez, a liderença. É verdade, Al-Alttiyah, que teve três furos, quando só tinha dois pneus sobresselentes, conseguiu chegar à liderença. Mas na especial derradeira, furou. Parou para trocar o pneu, e quem vinha atrás era Bruno Magalhães. Quando Al-Alttiyah se colocou na estrada novamente, Bruno estava mesmo em cima, tendo travado a fundo e depois ultrapassado o piloto do Qatar. E foi esta manobra que custou a Bruno a vitória no rali, caros leitores, 0.6s que podem fazer a diferença no final do campeonato. Com o furo de Al-Alttiyah, Norbert Herczig subiu para o terceiro lugar com o Skoda Fabia R5.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários