Anterior1 de 2Próximo

No mesmo fim de semana em que a Fórmula 1 regressou, em Portugal voltaram-se a ouvir os motores, nas ruas de Castelo Branco. Na região centro de Portugal Continental retomou-se o Campeonato de Portugal de Ralis. Armindo Araújo e Luís Ramalho já tinham vencido no Rali Serras de Fafe e Felgueiras. Em Castelo Branco, mostraram que o Team Armindo Araújo/The Racing Factory e o Skoda Fabia R5 Evo estão imbatíveis.

Armindo Araújo e a The Racing Factory têm apresentado, até agora, o melhor pacote do CPR
Fonte: Escuderia Castelo Branco

Um programa reduzido viu os pilotos do CPR irem para a estrada no sábado e no domingo. Num total de sete provas especiais, o público português pode voltar a viver as emoções dos ralis, mas sempre com segurança e o distanciamento social necessário.

Quanto ao rali, Armindo Araújo e Luís Ramalho fizeram o que lhes competia. Atacaram logo na primeira especial, colocando uma vantagem de 2.4s para José Pedro Fontes e Inês Ponte. A dupla do Citroen C3 R5 foi juntamente com Bruno Magalhães e Carlos Magalhães, os maiores oponentes de Araújo.

Não foi o recomeço esperado para José Pedro Fonte e Inês Ponte
Fonte: Citroen Vodafone Team

Os campeões nacionais em título, Ricardo Teodósio e José Teixeira, não acompanharam os pilotos da frente, sabendo-se no fim do rali que uma escolha inicial errada de pneus condicionou e muito a dupla do Team Vito Skoda, que tripula um Skoda Fabia R5 Evo.

Ricardo Teodósio e José Teixeira não se conseguiram intrometer na luta pela vitória
Fonte: Escuderia Castelo Branco
Anúncio Publicitário

Ao fim do primeiro dia, a diferença entre primeiro e segundo classificados era apenas de 1.1s. Num rali marcado pelas altas temperaturas, previa-se que a batalha também fosse “quente”. Infelizmente, na primeira especial do segundo dia José Pedro Fonte e Inês Ponte não conseguiram reduzir os 1.1s de vantagem devido ao corte de uma curva que danificou a suspensão do Citroen C3 R5. O suficiente para perderem demasiado tempo. Apesar disso, ainda conseguiram salvar um décimo lugar à geral no final.

Assim, Armindo Araújo e Luís Ramalho voltaram a mostrar o que vieram fazer a Castelo Branco. Vencer. A dupla controlou o seu ritmo, não arriscando sequer na Power Stage. Aí, Bruno Magalhães colocou o Hyundai i20 R5 do Team Hyundai Portugal com pontos adicionais, sempre preciosos pela luta pelo ceptro de campeão nacional.

Bruno e Carlos Magalhães venceram a Power Stage, amealhando pontos extra e que podem ser importantes
Fonte: Team Hyundai Portugal

Fora do pódio, Pedro Meireles e Mário Castro levaram o Volkswagen Polo GTI R5 à quarta posição, aproveitando o infortúnio de José Pedro Fontes. Atrás da dupla da Volkswagen ficou o regressado João Barros, que estreou um Citroen C3 R5, e teve a companhia do navegador Campeão dos Açores de Ralis, Jorge Henriques. No fim do rali percebe-se que, se continuar, João Barros pode chegar mais à frente. Esperemos que sim.

Na continuação da sua aprendizagem, Miguel Correia teve a companhia do experiente navegador António Costa no Skoda Fabia R5. O jovem piloto ficou com o sexto lugar da geral, batendo Manuel Castro e Ricardo Cunha em máquina idêntica. Carlos Martins e José Pedro Silva levaram o Citroen DS3 R5 à oitava posição.

Nas duas rodas motrizes, destaque para a presença do novo concorrente da Peugeot, o 208 Rally4, pilotado por dois jovens: Pedro Antunes, acompanhado de Pedro Alves, e Pedro Almeida, acompanhado de Hugo Magalhães. Antunes foi o melhor das duas rodas motrizes, ficando com o nono lugar à geral. Já Almeida teve um acidente e ficou de fora do rali.

Pedro Antunes estreou-se aos comandos do Peugeot 208 Rally4, a nova aposta da marca francesa para as duas rodas motrizes
Fonte: Escuderia Castelo Branco

O Rali de Castelo Branco também viu regressar o campeonato RGT, no qual os Porsche brilharam, com Vítor Pascoal e Ricardo Faria num 991 GT3 Cup a dominarem por completo. Nos RC2N, Fernando Teotónio e Luís Morgadinho venceram com o Mitsubishi Lancer Evo X.

Vitor Pascoal e o Porsche 991 GT3 Cup nos ralis é sempre uma delícia
Fonte: Escuderia Castelo Branco

Por fim, relembrar que com 16 anos eu estava a tentar passar no secundário, já Rodrigo Correia, fez a sua estreia nos ralis, ao volante de um KIA Picanto GT. De dizer que Miguel Paião é que conduzia o carro nas ligações!

Foto De Capa: Escuderia Castelo Branco

Anterior1 de 2Próximo

Comentários