Lucas Di Grassi venceu o E-Prix de Berlim para se colocar na segunda posição do campeonato, a apenas 6 pontos de Jean Eric Vergne. Foi a segunda vitória do brasileiro, que a par de JEV é o único a conseguir mais do que uma vitória. Para a Audi foi um momento ainda mais doce, por conseguirem vencer em casa, na Alemanha.

Na segunda posição, o homem que começou a corrida na pole position, Sebastien Buemi, sendo o primeiro pódio do suíço nesta temporada, seguido por Jean Eric Vergne, que consegui uma recuperação fantástica da oitava posição para fechar o pódio.

Buemi liderou as primeiras voltas, mas Di Grassi estava numa missão, e após despachar Stoffel Vandoorne, colocou pressão sobre o piloto da Nissan E-Dams e subiu ao topo da classificação, nunca mais saindo de lá.

Alex Lynn teve problemas no carro da Jaguar, parando no meio da pista e causando um Full Course Yellow, o que faz os carros andarem a uma velocidade máxima de 50 km/h sem poderem ultrapassar. Antes dos problemas de Lynn, Di Grassi tinha conseguindo cerca de cinco segundos de vantagem, ao aproveitar a luta pela segunda posição entre ele, Vandoorne, Vergne e Félix da Costa, o que rapidamente diminuiu no recomeço, passando a sofrer uma certa pressão de Buemi até ao fim da corrida.

António Félix da Costa estava a executar uma corrida fantástica, até nos lugares do pódio, mas Jean Eric Vergne levou a melhor sobre o português, ficando este em 4º lugar, à frente de Vandoorne, que após o segundo lugar no grid, apenas perdeu posições. 

O colega de equipa de Vergne e antigo segundo classificado do campeonato, Lotterer, estava numa fantástica recuperação, após começar em penúltimo, mas viu-se obrigado a desistir da corrida.

A corrida teve um início muito calmo, mas graças às características mais largas da pista de Berlim, que se situa num antigo aeroporto em vez de em ruas de uma cidade, houve belas batalhas entre os pilotos, com especial destaque à batalha entre Vergne e Félix Da Costa, onde o francês acabou por cima. 

A 3 corridas do final do campeonato, a tabela classificativa já começa a ganhar uma forma mais conclusiva, com Robin Frinjs em 5º com 81 pontos, Félix da Costa em quarto com 82 pontos, André Lotterer em terceiro com 86 pontos, o vencedor de hoje Di Grassi com 96 pontos, e o líder, e atual campeão, Jean-Éric Vergne com 102 pontos.

A loucura do princípio da época foi substituída por batalhas muito calculadas, tendo em conta, que principalmente agora, no final da época, cada ponto pode fazer a diferença entre ser campeão ou não.

Piloto do Dia: Jean-Éric Vergne

O campeão não repetiu a faceta do Mónaco em vencer, mas fez uma extraordinária corrida. Começou em oitavo, e durante toda a corrida tratou de se livrar dos adversários que apareciam no caminho, lavrando pela tabela classificativa até ao terceiro lugar do pódio. Conseguiu ter várias ultrapassagens de grande nível, como a Daniel Abt e a António Félix da Costa, e se houvesse mais uma volta, era bem provável que conseguisse a segunda posição de Buemi. Após um início de época muito tremido, JEV atinou, e nas últimas corridas, tem vindo a comprovar o porquê de ser campeão.

Foto de Capa: Formula E

Comentários