Mais uma corrida, a mesma história, a Formula E continua imprevisível, com o sexto vencedor diferente, da sexta marca diferente, nas 6 corridas da época. Com a época quase a meio, continua impossível saber quem vai ser campeão, tanto de pilotos, como construtores.

A corrida em Sanya foi bem mais calma e menos caótica do que as anteriores, contudo, não se pode dizer que tenha sido uma má corrida. A vitória acabou por sair para Vergne, o campeão de 2018 ultrapassou Olivier Rowland ainda no início, e nunca mais largou a liderança. Ainda houve dúvidas quanto à vitória de JEV, pois estava a ser investigado por falhar nos procedimentos do Safety Car, mas a punição não passou de uma reprimenda. 

O líder do campeonato no início da corrida teve um dia mísero, após embater contra Vandoorne durante corrida, sendo obrigado a desistir. 

O nível dos carros é tão próximo, que a liderança da corrida estava em discussão por 5 pilotos diferentes, com Vergne a ser obrigado a mantê-los a todos à distância. E tendo construído uma boa liderança na primeira parte da corrida, após uma bandeira vermelha criada por Sims, que embateu contra a parede ao discutir a posição com Lotterer.

Essa pressão exercida sobre Vergne acalmou nas últimas voltas, Buemi tentava recuperar posições após ter começado a corrida na Pit Lane, e quando pressionava Robin Frinjs da Virgin, os dois pilotos chocaram e Lucas Di Grassi acabou por ser uma vítima, quando o carro de Frinjs embate no Audi e coloca os dois fora da corrida. Isto causou um “full course yellow”, atrás do qual os carros acabaram por terminar a corrida, dando ar para respirar a Vergne.

Mais uma corrida muito competitiva
Fonte: Formula E

Na segunda posição ficou o dono da Pole Position na qualificação, Oliver Rowland, da Nissan, e a fechar o pódio, António Félix da Costa, que com os seus 15 pontos desta corrida, subiu ao primeiro lugar do campeonato, mas com apenas 1 ponto de vantagem para Jerome D’ambrosio, com Vergne a saltar para a 3º posição a 8 pontos do português.

André Lotterer da Ds Techeetah terminou na 4º posição, após ganhar algumas batalhas na corrida, Daniel Abt foi o único Audi a terminar na 5º posição. Buemi, apesar de começar na pitlane e embater contra Frinjs, terminou na 6º posição, um resultado positivo tendo em conta tudo o que lhe aconteceu. D’ambrosio, Wehrlein, Evans e Mortara fecharam as restantes posições dos pontos.

Esta corrida mostrou o que a Formula E representa, não foi a mais entusiasmante da época, nem de longe, mas ainda assim foi boa. Isso demonstra o nível que esta temporada está a ter. Estamos a meio da época, e tanto quanto sabemos, pilotos que estão em 10º lugar podem subir ao primeiro no espaço de 2 corridas. 

Ainda há muito ódio pela Formula E, principalmente por ser um desporto de carros elétricos, a que os fãs sedentos de gasolina apelidam de “Aspiradores muito rápidos”, mas o nível que esta época tem atingido em termos de qualidade das corridas é imenso. Grandes batalhas por posição, vontade de vencer, e carros mais ou menos igualados, o que dá uma imprevisibilidade fascinante a este desporto. 

Faltam 7 corridas para acabar a temporada 5, e começa a parecer que o campeão não será o que vencer mais corridas, mas sim o que for mais consistente.

O piloto do dia: Jean Eric Vergne

O campeão volta às vitórias
Fonte: Formula E

Ponderei colocar Buemi, porque o Suiço teve de ultrapassar meio mundo para chegar à sexta posição, mas o prémio vai para o vencedor, Jean Eric Vergne. O campeão estava a ter uma época muito inconstante, com muitos erros e azares a marcar as suas corridas, mas em Sanya, esteve intocável. Uma ultrapassagem muito boa a Oliver Rowland deu-lhe a liderança, e a partir daí, apesar de bandeiras vermelhas a deitar a vantagem ao lixo, conseguiu segurar a posição, para obter a primeira vitória do campeonato para ele e para a DS Techeetah, o que o catapultou para a terceira posição no campeonato.

Foto de Capa: Formula E

Comentários