Decorridas seis provas do campeonato do Mundo de Fórmula 1, verifica-se que este ano devemos ter uma luta bastante animada pelo terceiro lugar do campeonato de construtores entre a Ferrari (atual terceira classificada) e a McLaren (nesta altura, no quarto posto, a apenas dois pontos da Scuderia). Depois de uma época tremendamente desapontante em 2020, a equipa italiana promete este ano dar luta até ao fim à equipa laranja, que foi terceira na última temporada.

E esta disputa torna-se ainda mais interessante quando se veem as duplas de pilotos que compõem cada equipa. Charles Leclerc (Ferrari) e Lando Norris (McLaren) mantêm-se onde estavam, mas agora têm nova companhia. Carlos Sainz saiu precisamente de Woking para ir trabalhar com Leclerc e com a Ferrari, ao passo que Daniel Ricciardo foi o escolhido para preencher o lugar deixado vago pela saída do espanhol.

E com apenas dois pontos a separar as duas equipas, não é muito fácil tirar grandes conclusões nesta altura, mas, com os pilotos principais (Leclerc e Norris, porque se mantêm desde o ano passado) a conseguirem quase sempre boas performances, a luta pode ficar decidida naquilo que fazem os segundos pilotos. E, nesta fase, Sainz parece estar a sair-se melhor do que Ricciardo.

O australiano, vindo de uma época forte na Renault, com dois pódios, não tem estado a deslumbrar na sua nova ‘casa’. É verdade que conseguiu pontos em cinco das seis corridas (Mónaco foi a exceção), mas o seu melhor resultado esta época fica-se pelo sexto lugar e amealhou até agora 26 pontos no campeonato. Se compararmos com Norris, o britânico tem dois pódios, é o único piloto a pontuar em todas as corridas este ano e está 40 pontos à frente de Ricciardo na tabela.

Anúncio Publicitário
O piloto monegasco já conquistou duas pole positions esta época
Fonte: Scuderia Ferrari

Já a Ferrari tem tido uma dupla de pilotos mais regular nos seus resultados. Em primeiro lugar, é preciso dizer que o carro deste ano é bastante mais rápido do que o do ano passado (recordar que, em 2020, a Scuderia não foi além do sexto lugar nos construtores). Se no ano passado a equipa italiana não tinha muitas possibilidades de discutir grande coisa no campeonato, este ano tem essa obrigação de lutar pelo top-3 na tabela de construtores.

E se é verdade que Norris já conseguiu dois pódios, também é verdade que Sainz já conseguiu um (segundo lugar no Mónaco, numa corrida que até podia ter sido ganha por Leclerc, caso tivesse um carro a postos para arrancar na pole position) e o próprio monegasco foi quarto em Imola, em Barcelona e em Baku (num resultado que até foi amargo, tendo começado na pole).

Os 16 pontos de vantagem de Sainz sobre Ricciardo explicam-se muito pela corrida do Mónaco, onde o espanhol foi segundo e o australiano não pontuou, mas, ainda assim, Sainz parece ser, dentro do lote de pilotos que trocaram de equipas, um dos que melhor se está a adaptar, ao contrário do Honey Badger.

É verdade que ainda falta muito campeonato, e é ainda mais verdade que os diferentes carros não funcionam da mesma forma e que a mudança de uma equipa para a outra é sempre um processo bastante traiçoeiro, mas o sucesso ou insucesso de uma época pode depender também do piloto que se adaptar mais rápido. Por isso, Zak Brown esperará que o processo de adaptação decorra mais rápido do que aquilo que é normal, para poder terminar mais uma época a festejar.

Foto de Capa: McLaren

Artigo redigido por Bernardo Figueiredo

Artigo revisto por Joana Mendes

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome