Cabeçalho modalidadesSebastian Vettel avisou e a Mercedes cumpriu: os “flechas de prata” eram favoritos na Áustria. Valtteri Bottas ganhou a pole-position e concretizou essa vantagem com uma vitória na corrida.

O finlandês da Mercedes beneficiou de uma bandeira amarela nas últimas voltas da sessão de qualificação, que impediu os adversários directos de melhorarem os seus tempos. Logo a seguir, Vettel ficou a menos de um segundo e Hamilton foi o terceiro mais rápido. Contudo, o inglês foi penalizado em cinco lugares por ter trocado de caixa de velocidades – saiu de oitavo -, Raikkonen subiu à terceira posição da grelha.

Valtteri Bottas arrancou incrivelmente bem e deixou suspeitas de que teria queimado o arranque. A FIA investigou e a conclusão foi fantástica: o piloto da Mercedes demorou 0.201s a reagir aos semáforos. Números entusiasmantes para qualquer fã da F1 e para o próprio Bottas, que foi peremptório – “foi o arranque da minha vida”.

A primeira curva do circuito austríaco é famosa por causar acidentes e o GP de 2017 não foi excepção. Um Kvyat muito pouco cauteloso colidiu com Alonso, que acabou por levar Verstappen consigo. O resultado foi o abandono do McLaren e do Red Bull, enquanto que o Toro Rosso foi penalizado com um drive through. Prova demasiado azarada para Fernando Alonso, que depois de pontuar pela primeira vez no Azerbaijão tinha dito ao longo da semana que os pontos eram, a partir de agora, um objectivo normal. Já Max Verstappen abandona pela quinta vez em sete corridas e desilude todos os seus entusiastas, que acreditavam numa época de consagração do promissor holandês.

Kimi Raikkonen voltou a fazer uma corrida insossa, repleta de erros, e não conseguiu salvaguardar o lugar no pódio nem tão pouco defender-se de Lewis Hamilton. Ricciardo aproveitou a inércia do piloto da Ferrari e subiu a terceiro para não mais sair; Hamilton aproveitou a paragem do finlandês e conquistou a quarta posição. Raikkonen não foi capaz de fugir deste impasse e apesar de ter estado próximo do Mercedes em algumas ocasiões, acabou por se resignar ao quinto lugar.

Anúncio Publicitário
Vettel ficou em segundo e consolidou a liderança na classificação geral Fonte: Ferrari
Vettel ficou em segundo e consolidou a liderança na classificação geral
Fonte: Ferrari

Já Hamilton almejava um lugar no pódio – mal menor depois de ter saído de oitavo. O piloto da Mercedes chegou a estar lado a lado com Ricciardo, na penúltima volta, mas o australiano resistiu e ficou mesmo nos três primeiros. Mais uma grande corrida para Ricciardo e uma óptima posição para a Red Bull; depois da vitória em Baku, um terceiro lugar em Spielberg. O jovem piloto tem compensado os desaires de Verstappen e mostra-se um nome a ter em conta em todos os GPs.

E se na luta pelo último lugar do pódio a Mercedes não conseguiu levar a melhor, na luta pela vitória na corrida a história foi diferente. Valtteri Bottas liderou desde o primeiro segundo e só se preocupou verdadeiramente com Vettel nas últimas voltas. O actual líder da geral subiu o ritmo, colocou-se ao ataque, abriu o DRS e animou a recta final da etapa austríaca. Chegou a estar a 1,7s de Bottas mas o finlandês não deu hipótese: não só não admitiu nenhuma verdadeira tentativa de ultrapassagem, como se manteve constante e sem erros, conquistando meritoriamente o primeiro lugar.

Nota positiva para a Williams, que depois de uma péssima qualificação conseguiu ter os dois carros nos pontos. Depois do pódio de Stroll no Azerbaijão, a equipa volta a ter motivos para ficar contente com a sua prestação. Apesar do terceiro lugar de Ricciardo, a Red Bull voltou a ver Verstappen a desistir e a ficar fora dos pontos. O piloto holandês prometeu mais e esta época está a ser desastrosa. Sergio Perez e Sebastian Ocon voltaram a acabar a corrida seguidinhos, neste que foi um fim-de-semana mais calmo para a dupla da Force India. Nota ainda para a excelente prestação de Grosjean, que levou para casa o sexto lugar e a melhor posição do ano para a Haas.

Hamilton foi quarto, Vettel foi segundo: o alemão volta a distanciar-se e tem agora um fosso de 20 pontos que o separa do inglês. Desta vez a espera é mais curta – a F1 regressa já no próximo fim-de-semana, de 14 a 16 de Julho, com o Grande Prémio do Reino Unido.

Foto de Capa: Valtteri Bottas

Artigo revisto por: Francisca Carvalho