Max Verstappen é o vencedor do Grande Prémio do México, mas as manchetes estarão viradas para Lewis Hamilton que consegue o seu quinto título mundial de Fórmula 1 – o terceiro piloto a consegui-lo a seguir a Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher.

Após uma volta fantástica para conseguir a pole position, Daniel Ricciardo não conseguiu segurar a posição, perdendo imediatamente no início da corrida para o seu colega de equipa e Lewis Hamilton. O holandês da Red Bull agarrou o primeiro lugar e nunca mais o largou, tendo uma corrida solitária à frente de todos os outros pilotos. Hamilton ainda tentou aproximar-se de Max, mas a dificuldade do seu Mercedes em lidar com o desgaste dos pneus fez com que este perdesse o 2º lugar para Ricciardo e pouco depois o 3º para Vettel.  

O alemão da Ferrari começou a atacar a posição do piloto australiano da Red Bull e finalmente conseguiu, mas não através de uma grande ultrapassagem. O carro de Ricciardo começou a largar fumo pela traseira, o seu motor voltou a deixá-lo ficar mal, o que aumenta para 8 o número de vezes que este teve de abandonar uma corrida em 2018. 

O resto da corrida assemelhou-se a uma volta de formação com uma velocidade um pouco maior, tendo em conta que todos os pilotos estavam a tentar controlar a degradação dos pneus, que estava num nível muito elevado no México. 

Após 71 voltas na frente, Max Verstappen acabou por vencer o Grande Prémio do México pelo segundo ano consecutivo, com mais uma corrida madura da parte do holandês, que deu a volta à sua época de forma fantástica, conseguindo um resultado fantástico atrás de um resultado fantástico, mas, infelizmente, o dia não é dele, é de Lewis Hamilton. O britânico veio para esta corrida a precisar apenas de terminar na sétima posição para ser campeão, e o seu quarto lugar chegou e sobrou para garantir o seu quinto título mundial a duas corridas do final da época, tornando-o o 2º melhor piloto de todos os tempos a par de Juan Manuel Fangio, pelo menos a nível estatístico. É um feito fenomenal da parte do britânico. Após uma primeira metade de época muito renhida, este agarrou as rédeas do seu Mercedes e dominou a segunda metade da época. No que toca ao Sebastian Vettel, pode ser que seja para o ano, isto se o Charles Leclerc não tiver nada a dizer sobre o assunto. 

Piloto do dia – Stoffel Vandoorne

Fonte: McLaren

Nem só dos vitoriosos se faz um Grande Prémio, e os pilotos que geralmente ficam mais para trás na grelha de partida também merecem ser mencionados, e quem hoje merece é Stoffel Vandoorne. O belga da Mclaren teve uma época saída de um pesadelo, começou bem, com resultados muito próximos de Fernando Alonso, mas desde o Grande Prémio do Azerbaijão que não era capaz de pontuar, até hoje. Após começar na 17ª posição, uma excelente capacidade de conservação dos pneus e uma condução muito madura, colocaram o piloto da Mclaren na 8ª posição, um prémio de compensação para um piloto que no próximo ano não vai fazer parte da Fórmula 1. 

Foto de Capa: Mercedes-AMG Petronas

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários