Se no WRC as coisas estão ao rubro com a luta entre Thierry Neuville, Ott Tanak e Sebastien Ogier, o Campeonato de Portugal de Ralis não quis ficar atrás. Cá em Portugal, os protagonistas são Armindo Araújo, Ricardo Teodósio e José Pedro Fontes.

Mas vamos então ao Rali de Amarante Baião. Mais uma prova de regressos. João Barros volta, mas não no habitual Ford Fiesta R5. Barros estreou aqui o Skoda Fabia R5 da ARC Sport. Nas duas rodas motrizes, destaque para Bernardo Sousa e Valter Cardoso, que venceram o Rali Ilha Lilás, na ilha Terceira para o Campeonato dos Açores de Ralis, marcando presença neste rali com o Peugeot 208 R2 da BS Motorsport. De estreias, destaque para Diogo Gago, que finalmente teve a oportunidade de conduzir um veículo da categoria R5, sendo o piloto convidado pelo Team Hyundai Portugal para o lugar do campeão nacional, Carlos Vieira.

Começou a surpresa logo no shakedown. João Barros foi o piloto mais rápido, transportando essa rapidez para os troços a contar para a classificação, ganhando os dois primeiros troços. Na super especial noturna foi apenas sexto, mas manteve a liderança do rali para o segundo dia. Na segunda posição, encontrava-se José Pedro Fontes, em Citroen C3 R5, a cerca de cinco segundos de Barros. Ricardo Teodósio e Armindo Araújo lutavam pelo degrau mais baixo do pódio.

João Barros teve uma adaptação excelente ao Skoda Fabia R5, sendo o primeiro líder do rali
Fonte: Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting

No segundo e último dia, a história mudou um pouco, mas os protagonistas continuaram os mesmos, João Barros e José Pedro Fontes. A batalha foi-se intensificando com vitórias de um e de outro ao longo do dia, na qual, na partida para a última especial, José Pedro Fontes estava na frente com 0.6s de avanço sobre João Barros. No final, José Pedro Fontes levou a melhor e traz, outra vez, o Citroen C3 R5 ao lugar mais alto do pódio no CPR.

Grande rali de Pedro Almeida. O piloto de aviação comercial tem sido um constante no CPR, e cada vez mais tem evoluído a bordo do Ford Fiesta R5
Fonte: Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting

Nas duas rodas motrizes, a história foi um pouco diferente. Se Gil Antunes, em Renault Clio RS R3T, começou por liderar, a partir da super especial noturna, Bernardo Sousa pegou na liderança e nunca mais a largou, acabando o rali a cerca de 16s de Miguel Correia, em Renault Clio R3. No degrau mais baixo ficou Daniel Nunes em Peugeot 208 R2.

Diogo Gago finalmente teve uma oportunidade num carro da nova geração R5. O piloto algarvio terminou o rali na sexta posição
Fonte: Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting

Já só falta uma prova para o fim do CPR. Quem irá vencer? O último rali da temporada será o Rali Casinos do Algarve, de 15 a 17 de novembro.

Foto de Capa: Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários