Cabeçalho modalidadesNuma pista tradicionalmente exigente a nível físico, Hirscher e Pinturault eram os principais candidatos à vitória, na sétima prova da disciplina de slalom gigante desta temporada, a realizar em Garmisch-Partenkirchen. Kristoffersen (possivelmente desmoralizado com a descida na tabela classificativa de slalom), Faivre e Neureuther também espreitavam a hipótese de fazer um bom resultado em solo alemão.

Na primeira manga, tudo correu dentro do esperado, com o sueco Matts Olsson a merecer destaque, uma vez que surpreendeu tudo e todos com boa trajetória e bom timing de curva, aparecendo assim num fantástico 3º lugar no final da manga inicial, que foi consolidado com o trabalho feito na manga seguinte, permitindo-lhe ser vice-campeão desta prova. Nota também para Manuel Feller, que na primeira parte da corrida se despistou e obteve DNF.

Relativamente aos “homens da frente”, todos cumpriram razoavelmente o que deles era esperado, com Neureuther e Faivre colados ao pódio, Neureuther mais atrás e com um nível exibicional mais baixo que os restantes atletas, Hirscher em segundo lugar e na frente o francês Pinturault.

O pódio em Garmisch-Partenkirchen Fonte: Stefan Luitz
O pódio em Garmisch-Partenkirchen
Fonte: Stefan Luitz

Na segunda manga, sobressaiu o alemão Luitz, que aproveitou as quebras físicas do esquiadores do topo da classificação para terminar a prova com um tempo total de 2:41.90, que lhe foi suficiente para alcançar o 3º lugar. Kristoffersen melhorou substancialmente a qualidade do seu esqui e acabou por conseguir o 7º lugar final. A desilusão chegaria com o francês, que até à segunda manga liderava a corrida. Pinturault desequilibrou-se à saída de uma curva mal calculada e perdeu muita velocidade a corrigir a trajetória. Foi desta forma que, sem grandes brilhantismos na sua descida, Marcel Hirscher aproveitou o deslize do seu adversário para tomar a liderança e consolidar o primeiro lugar na disciplina de slalom gigante.

Nesta disciplina, poderá ficar tudo decidido na Noruega, no dia 26 de fevereiro, data da próxima e penúltima prova desta disciplina, onde para Hirscher se sagrar campeão do mundo basta ganhar a prova sem depender de terceiros. Está tudo muito bem encaminhado e, na minha opinião, com a experiência que tem, o austríaco não vai falhar nesta grande decisão.

Anúncio Publicitário

Foto de capa: Marcel Hirscher

Artigo revisto por: Francisca Carvalho