Cabeçalho modalidadesNo início de Abril, mais concretamente entre os dias nove e onze, irá ser disputada a qualificação para o campeonato da Europa 2018, que se realiza entre os dias oito e onze do próximo mês, na Eslovénia.

Como adversários, Portugal tem pela frente a organizadora deste torneio e, neste caso particular, parece ser o adversário mais complicado, a Roménia. Os dois conjuntos que completam este grupo são a Letónia e a Finlândia. Medimos forças com a formação báltica no dia oito, seguindo-se a equipa finlandesa e, por fim, a turma da casa.

De todos os nossos rivais, apenas a Roménia esteve em Europeus, por três ocasiões, a última das quais em 2014. De resto, não se conta mais nenhuma presença em grandes competições (Campeonatos do Mundo ou da Europa). Por isso, e atendendo à convocatória hoje divulgada, o selecionador Jorge Braz optou (e muito bem!) por não menosprezar os adversários em questão e convocou os melhores 14 para esta fase, num claro sinal de respeito e consideração por todos os seus oponentes.

Em teoria, somos melhor equipa que qualquer um dos nossos oponentes, individualmente então não se fala, pois temos o melhor jogador do mundo. No entanto, este pensamento de sobranceria e arrogância nem sempre corre bem, e penso que neste aspeto o treinador da seleção nacional sempre primou pelo respeito aos países que defronta.

A arena Skozice recebe o torneio, de 30 de Janeiro a 10 de Fevereiro de 2018 Fonte: 24UR
A arena Skozice recebe o torneio, de 30 de Janeiro a 10 de Fevereiro de 2018
Fonte: 24UR

Por isso, é preciso ter muito cuidado, sobretudo com a equipa a casa, acima de tudo porque tem essa mesma motivação de jogar em solo pátrio e, por vezes, as equipas transcendem-se a disputar estas competições em casa (nós já sentimos isso na pele quando perdemos no Euro 2016, discutido na Sérvia, com a formação balcânica, na fase de grupos, algo que nos “obrigou” a jogar com a Espanha nos quartos-de-final).

Anúncio Publicitário

Consequentemente, o favoritismo teórico desaparece mal a bola começa a rolar, e nós temos que demonstrar na quadra que somos melhores, caso contrário podemos vir a ter um grande dissabor nesta fase de qualificação, ou pelo menos adiar o sofrimento, pois todos os segundos classificados mais o melhor terceiro classificado apuram-se para o playoff.

Bem sei que nós portugueses “adoramos” as calculadoras, mas desta feita vamos tentar arrumá-la na gaveta. Para isso, precisamos de assegurar o primeiro posto no grupo de apuramento. Por isso, vamos deixar as contas para outra altura e fazer uma qualificação limpa. Pode ser, rapazes?

Foto de capa: Alamy

Artigo revisto por: Francisca Carvalho