O apuramento para o próximo Campeonato Europeu de Futsal irá conhecer uma jornada absolutamente decisiva, com o duplo confronto entre as seleções mais cotadas do grupo 8 da fase preliminar.

Anúncio Publicitário

A nossa equipa, atual campeã continental em título, defronta a congénere da República Checa na Arena Lodz, na Polónia, em terreno neutro, devido às restrições impostas pela atual pandemia de Covid 19. Esta casa não é nova para a nossa seleção, pois já defrontámos a equipa da casa no passado mês de Fevereiro, e aqui conseguimos corrigir um mau resultado na jornada inicial, com uma vitória clara de 3-0 sobre a Polónia. Esperemos que este pavilhão se prove talismã para a nossa equipa e consigamos arrancar para uma ronda mais calma e folgada.

Esta equipa da Europa Central tem uma particularidade interessante, apesar de ainda não ter disputado qualquer jogo neste agrupamento já soma seis pontos, porque o seu adversário nas duas primeiras jornadas não pôde disputar os jogos, em virtude das normas vigentes na Noruega relativamente a voos de e para o país Nórdico, estando expressamente proibidas naquela altura as deslocações da equipa nacional de Futsal para a República Checa e vice-versa, obrigando assim a UEFA a atribuir derrota administrativa de 5-0 nos dois encontros à equipa teoricamente menos cotada das quatro presentes nesta fase.

Ora, o reverso da medalha dessa situação para o nosso adversário é a falta de ritmo competitivo que os Checos poderão inevitavelmente acusar, visto que o seu último jogo disputado enquanto seleção foi em Novembro de 2020, desde o play-off de apuramento para o Mundial, coroado com sucesso após um triunfo nas grandes penalidades contra a Croácia, indicando assim que se trata de um adversário de boa valia, um habitué também em Campeonatos da Europa, apenas falhando a edição de 2018 após cair nos play-off diante da Sérvia, tendo estado nas anteriores edições ininterruptamente desde 2001 até 2016.

Mas, como o estatuto de atual campeão europeu nos exige, temos que estar presentes e selar esse apuramento de forma categórica, com a liderança do grupo. Tal como sucedeu com Portugal, que pareceu acusar a falta de ritmo competitivo no primeiro jogo com a Polónia, poderá suceder algo parecido com o nosso rival no primeiro encontro da dupla jornada, já este Sábado.

Mas esses são cenários hipotéticos, o que terá que ocorrer é uma seleção portuguesa com grande atitude competitiva, alguma inspiração individual e coletiva e muita seriedade na forma como encara e aborda todos os momentos do encontro, pois só assim poderemos derrotar a República Checa e ficar mais próximos do próximo Europeu nos Países Baixos, onde queremos estar a defender o nosso título em 2022. Esperemos que seja de novo com os pavilhões repletos de público, e que este novo “normal” seja apenas uma memória distante a partir do próximo ano.

Foto de Capa: Seleções de Portugal

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome