SL Benfica e Sporting CP entravam para esta jornada separados por dois pontos, com vantagem para as águias devido ao surpreendente empate dos leões contra a Quinta dos Lombos, no pavilhão João Rocha.

A partida tinha todos os condimentos adjacentes a uma partida deste nível: pavilhão praticamente cheio (apesar de se encontrar despido no início do encontro, as pessoas foram entrando no decorrer da primeira metade), arbitragem de elevado nível (o árbitro nomeado foi Eduardo Coelho, sobejamente reconhecido como um dos melhores árbitros europeus), muito apoio nas bancadas, as já habituais provocações entre adeptos rivais e algum nervosismo nos jogadores encarnados e leoninos.

Anúncio Publicitário

O jogo começou equilibrado, com ocasiões para os dois lados, ligeiro ascendente do Benfica porque jogava no pavilhão da Luz perante os seus simpatizantes e sócios. Esse ascendente foi confirmado com dois golos na primeira parte, um de Fernandinho e outro de Fitz, num desvio oportuno após um remate de Diego Roncaglio, um verdadeiro guardião das redes encarnadas, e que hoje fez uma exibição magnífica, sempre a encher a baliza e exímio a jogar com pés. Roncaglio defendeu praticamente tudo, tirando um remate de Leo, muito forte e indefensável.

Chegamos assim ao intervalo com uma vantagem mínima de 2-1, prometendo bastante para a última metade de jogo. Depois de um recomeço na mesma toada do primeiro tempo, o Benfica ia dilatar a sua vantagem, através de um golo de Fernandinho.

Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Os verdes e brancos eram obrigados a apostar tudo no guarda-redes avançado, a cerca de quatro minutos do fim, e os encarnados aproveitaram para ampliar o marcador, através do inspirado Fernandinho, que completou o hat-trick com uma execução bastante mais fácil que as outras, dado que a baliza estava completamente deserta.

Com este quarto golo, o jogo ficou decidido e até ao fim foi só gerir os acontecimentos, apesar de um punhado de ocasiões para o Sporting, sempre travadas pela assombrosa exibição de Diego Roncaglio ou por clara desinspiração dos seus executantes, como foi o caso de uma falha incrível do pivot Dieguinho, completamente isolado perante o guarda-redes benfiquista, atirou para “as nuvens”.

Com este triunfo saboroso, o Benfica aumenta para cinco pontos a vantagem sobre o seu rival direto, 18 contra 13, quando apenas estão cumpridas seis jornadas. O Sporting já não perdia desde 21 de Outubro… de 2015 (!), um registo absolutamente extraordinário que foi quebrado precisamente três anos depois.