Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesEstreia do Pavilhão João Rocha, no que toca ao Futsal. Bilhetes esgotados, mas o pavilhão não, apesar da boa casa, com 2873 espetadores. Exibição eficaz, mas não brilhante. No entanto, suficiente para ganhar sem dificuldades.

O primeiro golo quase abriu o jogo. João Matos foi o primeiro jogador a fazer um golo com o pé no novo pavilhão. Daí em diante, a equipa de Nuno Dias dominou, dando poucos espaços à equipa do Leões de Porto Salvo.

Se a exibição não estava a ser brilhante a nível técnico, do segundo e terceiro golos para a equipa do Sporting não se pode dizer o mesmo. Primeiro, Deo descobre Fortino no outro lado do campo e o italo-brasileiro faz um golaço de levantar qualquer pavilhão no mundo, com um pontapé de moinho; depois, Djo, com um remate picado de grande classe, faz o 3-0.

O último minuto e meio da primeira parte foi o melhor período dos primeiros 20 minutos, com três golos. Além do supracitado golo de Djo, Dieguinho fez o 4-0, a pouco menos de 40 segundos do final, até que, a seis segundos do intervalo, Cherif reduziu para a equipa de Porto Salvo, num golo que deu alguma justiça ao marcador.

João Matos foi o primeiro jogador de Futsal a marcar no novo pavilhão Fonte: Sporting CP
João Matos foi o primeiro jogador de Futsal a marcar no novo pavilhão
Fonte: Sporting CP

Na segunda parte, a tendência manteve-se. O Sporting por cima, a dominar, e a começar a demonstrar melhores pormenores técnicos, dado o avolumar do resultado. O 5-1 foi muito parecido com o 2-0, mas desta vez Fortino não precisou de nenhum gesto acrobático para bater Bebé. Aos oito minutos da segunda parte, Cavinato, que viria a sair lesionado pouco depois, fez o 6-1.

Jorge Monteiro, a 10 minutos do fim, passou a jogar com guarda redes avançado, com o próprio Bebé. A pouco menos de sete minutos do fim, Fortino fez o hat-trick, aproveitando a baliza deserta, o que fez a equipa de Porto Salvo voltar a jogar com Bebé na baliza. A dois minutos do fim Merlim fez o 8-1, num livre de dez metros.

Nenhuma equipa é invencível, isto é impossível, mas quem tem jogadores com esta qualidade e quem trabalha com esta qualidade vai sempre vencer muito mais jogos do que os que perde, seja em Portugal, seja na Europa. Dará para ser campeão nacional e europeu? Difícil dizer, mas o trabalho que o Sporting tem vindo a desenvolver faz merecê-lo.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários