Anúncio Publicitário

Nesta segunda meia-final, que decidia quem se ia juntar ao outro finalista já conhecido a Espanha, encontraram-se duas grandes equipas. Entre as quatro melhores seleções europeias de futsal feminino estão a Ucrânia e Portugal, reunidas no fantástico pavilhão multiusos de Gondomar, que já em 2007 tinha sido palco do campeonato europeu masculino da modalidade. Tudo isto se sucedeu perante umas bancadas completamente cheias, num apoio constante às nossas atletas.

Como já seria de esperar, a equipa portuguesa assumiu as despesas do encontro, com muitos remates à mistura, sempre travados pela guardiã da equipa do leste europeu. A formação ucraniana apostava nos contra-ataques rápidos como arma para tentar bater a recém-eleita melhor guarda-redes do mundo, Ana Catarina.

Anúncio Publicitário

Ainda na primeira parte e após uma sucessão de ameaças à baliza contrária, conseguimos mesmo o primeiro golo neste complicado encontro, aproximadamente aos 14 minutos. Uma boa jogada, culminada com um remate ao poste e uma finalização fácil à boca da baliza de Janice Silva. Fácil devido ao bom posicionamento do jogadora nacional do SL Benfica, tendo total mérito por ter antecipado o local onde poderia parar o esférico após o contacto com o poste.

Daqui, até ao término da primeira parte, o resultado não mais se alterou, apesar de mais um punhado de boas ocasiões das nossas jogadoras, sendo de destacar o livre de dez metros de Carla Vanessa, a penalizar a sexta falta das ucranianas, livre esse que saiu ligeiramente por cima da barra.

Ao intervalo, o marcador registava 1-0 favorável às nossas senhoras, num resultado excessivamente magro face ao domínio absoluto de Portugal. Que grande exibição das comandadas de Luís Conceição. Só que, aos 22 minutos, a Ucrânia provou o porquê de ser uma equipa perigosa, pois, numa das primeiras vezes em que se acercou da baliza portuguesa com perigo, num contra-ataque letal, Sidorenko marcou o golo do empate e gelou as bancadas do multiusos gondomarense.

A 12 minutos e meio do fim do encontro, Fifó mostrou porque é uma das melhores jogadoras do mundo, apesar dos seus 18 anos. Numa brilhante jogada individual, conseguiu bater a inspirada guardiã da Ucrânia e devolver a vantagem a Portugal (2-1). A inoperância e inexistência ofensiva da Ucrânia persistiam e Portugal aproveitava, nomeadamente para tentar o 3-1, que surgiu a 7.22 do fim, através de Carla Vanessa.

O público presente no pavilhão multiusos de Gondomar esteve magnífico no apoio a Portugal
Fonte: UEFA

Com este golo, sentia-se que a final estava cada vez mais perto, até porque a nossa adversária estava tapada com cinco faltas, significando que uma nova falta daria um livre direto às portuguesas. A única solução possível para o selecionador ucraniano era apostar na guarda-redes avançado, para os últimos 5.30.

Mas nem mesmo essa solução resultou, graças ao total mérito da nossa tática, e do selecionador Luís Conceição, que avisou que a equipa portuguesa estava preparada para a exigência desta competição. Até ao fim, mais dois golos, de Janice Silva e de Fifó, acrescentando mais justiça ao marcador (5-1).

Estamos na final e domingo teremos pela frente a seleção espanhola, que tombou a Rússia na primeira meia-final. Uma coisa é certa: repete-se a final do Euro 2018 masculino, será que se repete o resultado? Com esta qualidade e entrega das nossas compatriotas, tudo é possível!

EQUIPAS INICIAIS:

Portugal: Ana Catarina, Inês Fernandes, Fifó, Janice Silva, Pisko

Ucrânia: Viktoriia Sagaidachna, Sydorenko,Tylova, Volovenko, Forsiuk

Anúncio Publicitário