Anterior1 de 3Próximo

A noite de sexta-feira foi de festa para as gentes do bairro do Campo de Ourique, com o Benfica a visitar o pavilhão Carlos Bernardino para defrontar o CACO, numa partida a contar para os oitavos-de-final da Taça de Portugal de hóquei em patins. Os encarnados golearam por 13-2 e seguiram em frente, mas o momento da noite foi assinado pelo capitão da equipa da casa.

O Benfica era o grande favorito, mas não entrou muito forte. Teve bola e criou perigo, sim, através de uma stickada de meia distância de Casanovas logo aos primeiros segundos, mas pouco mais fez. Foi inclusivamente através de um erro na saída do CACO para o ataque que as águias chegaram ao golo por intermédio de Vieirinha. Pouco depois, os encarnados beneficiaram de uma grande penalidade após uma falta cometida por Paulo Tembo. Albert Casanovas continuou a sua senda negativa na transformação de pénaltis, pois João Robalo travou as intenções do espanhol com a caneleira esquerda. 

A vantagem animou o conjunto benfiquista que, para além de controlar o esférico, começou a criar várias chances de golo. Assim, depois de alguns avisos, Ordoñez, em posição frontal, stickou forte para o 2-0. Momentos depois, num lance de contra-ataque de três para dois, o guardião do CACO negou o terceiro a Vieirinha. 

Com o passar dos minutos, o clube de Campo de Ourique foi conseguindo ter bola, mas nunca teve arte e engenho para construir lances de perigo para a baliza defendida por Pedro Henriques. O Benfica, por seu lado, continuava a construir oportunidades de golo e, perto dos dez minutos, Casanovas redimiu-se do pénalti falhado e apontou o 3-0. 

Momentos depois, em virtude de uma falta sobre Augusto Cachucho, o CACO usufruiu de um livre direto que André Conceição não conseguiu concretizar devido a uma bela defesa do guarda-redes das águias. Instantes depois, Casanovas viu um cartão azul após uma falta cometida sobre André Conceição. O próprio regressou à marca do livre-direto, tentou uma “picadinha”, mas o esférico passou pouco ao lado do poste direto da baliza benfiquista. Não marcou o CACO, marcou o Benfica, apesar de estar com um jogador a menos dentro de campo. Lance individual de Ordoñez e o marcador passou a indicar 4-0. 

Volvidos alguns instantes, Tiago Rodrigues viu um cartão azul e foi a vez de Ordoñez avançar para a marca do livre-direto. O argentino conseguiu “sentar” João Robalo, mas o guarda-redes da equipa da casa ainda conseguiu evitar o tento do avançado encarnado. Pouco depois, em situação de superioridade numérica, Miguel Rocha stickou de longe e assinou o 5-0.

A menos de cinco minutos da pausa, através de uma boa transição rápida do Benfica, o marcador voltou a avolumar-se. Valter Neves colocou a bola na frente, Nicolia assistiu e Adroher fez o 6-0.

Terminada a primeira parte, o Benfica goleava o CACO por 6-0. Vantagem mais do que justa, que explicava a superioridade das águias em pista e fazia jus às inúmeras oportunidades de golo criadas pelas comandados de Alejandro Dominguez. A equipa de Campo de Ourique conseguia, a espaços, estar no ataque, mas nunca foi capaz de sequer assustar Pedro Henriques. 

Lucas Ordoñez, na imagem, e Vierinha foram os dois melhores marcadores do Benfica no jogo ao apontarem três golos cada
Fonte: Clube Atlético Campo de Ourique

O Benfica entrou no segundo tempo a todo o gás e, logo aos 25 segundos, após uma bela movimentação ofensiva, Miguel Rocha, com muito espaço à sua disposição, stickou forte para fazer o 7-0. 

Passados alguns minutos, o número 44 das águias viu um cartão azul devido a uma falta sobre Paulo Tembo. Hugo Nascimento foi o escolhido para a conversão do livre-direto e, com uma excelente execução técnica, surpreendeu tudo e todos, inclusivamente Marco Barros, que tinha entrado ao intervalo, reduzindo a desvantagem para 7-1. Instantes depois, os encarnados voltaram a dispor de uma grande penalidade. Lucas Ordoñez assumiu a marcação da grande penalidade, mas não conseguiu bater João Robalo. 

Em cima da marca dos 30 minutos de jogo, surgiu a 10ª falta do CACO. Adroher, especialista neste tipo de lances, foi simples e eficaz fazendo o 8-1. Cerca de três minutos depois, foi a vez do Benfica cometer a sua 10ª falta. Hugo Nascimento regressou à marca do livre-direto, mas não conseguiu marcar. Todavia, devido a falta de Marco Barros. O capitão do CACO avançou para a grande penalidade e com muita sorte à mistura conseguiu apontar o 8-2. 

Disputados cerca de 36 minutos, Augusto Cachucho viu um cartão azul devido a um enganchamento em Casanovas. Miguel Rocha, que deverá reforçar o OC Barcelos na próxima época, foi o selecionado para converter a bola parada, mas João Robalo, com a luta direta, impediu o nono golo encarnado. Volvidos alguns instantes, Frederico Nascimento viu um cartão azul por simular uma grande penalidade. Ordoñez retornou à marca do livre-direto e, após falhar uma “picadinha”, teve muita sorte e devagar, muito devagarinho, a bola lá entrou na baliza do conjunto de Campo de Ourique e fez o 9-2.

À entrada para os derradeiros onze minutos do encontro, assistido por Vieirinha, Miguel Rocha fez uso da sua forte meia distância e assinou o 10-2.

Com a passagem aos quartos-de-final mais do que garantida, o Benfica baixou o ritmo do encontro. Contundo, num espaço de segundos, as águias marcaram por mais duas vezes, colocando o score em 12-2. Vierinha e Miguel Rocha foram os marcadores dos golos.

A menos de cinco minutos do fim da partida, Vierinha, assistido por Casanovas, fez o terceiro tento da conta pessoal, aumentado a diferença para 13-2.

A faltar pouco mais de um minuto para se jogar, Vieirinha viu um cartão azul. Hugo Nascimento regressou a uma marca onde já havia sido feliz e, apesar da perspicácia técnica, Marco Barros já não foi na cantiga e negou o hacttrick ao capitão do CACO. 

Terminada a partida, o Benfica goleou o CACO por claros 13-2. Diferencial que espelha a disparidade de qualidade entre os dois conjuntos, mas também demonstra o quão aberto foi o encontro. A equipa de Campo de Ourique, sem nada a perder, jogou o jogo pelo jogo e talvez até merecesse ter marcado mais alguns golos, tendo tido oportunidades para isso, sobretudo, nos segundos 25 minutos. 

Desta forma, o Benfica avança para os quartos-de-final da prova rainha do hóquei em patins português, na qual vai ter pela frente a Juventude de Viana. 

Os oitavos-de-final apenas vão ser finalizados no sábado, com o OC Barcelos a receber o Riba d’Ave HC.

Neste momento, o quadro dos quartos-de-final da Taça de Portugal, que se vão jogar no dia 4 de maio, é o seguinte:

  • SL Benfica-Juventude de Viana
  • Sporting CP-FC Porto
  • UD Oliveirense-AD Sanjoanense
  • OC Barcelos/Riba d’Ave HC-CD Paço de Arcos

CACO: 34-João Robalo (GR), 4-André Raposo, 6-Hugo Nascimento (CAP.), 78-Augusto Cachucho e 87-Paulo Tembo; Jogaram ainda: 7-Frederico Nascimento, 20-André Conceição, 46-Rodrigo Raposo e 95-Tiago Rodrigues

SL Benfica: 1-Pedro Henriques (GR), 2-Valter Neves (CAP.), 3-Albert Casanovas, 9-Lucas Ordoñez e 74-Vieirinha; Jogaram ainda: 10-Marco Barros (GR), 5-Carlos Nicolia, 7-Jordi Adroher e 44-Miguel Rocha

Anterior1 de 3Próximo

Comentários