Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: SPORTING TEVE MAIS “SANGUE FRIO”

O Sporting CP recebeu o OC Barcelos e procurava curar as feridas depois da derrota frente ao FC Porto, na jornada anterior.

Na primeira parte, o jogo esteve muito dividido com várias oportunidades para cada um dos lados. No entanto, nos últimos dez minutos, as equipas jogaram de forma mais agressiva e a equipa da casa conseguiu atirar a contar.

Anúncio Publicitário

A 6′ do intervalo, Toni Perez finalizou na área adversária uma bela jogada do coletivo leonino. Como já não bastasse aos visitantes, à beira do fim do primeiro tempo (a 12 segundos), João Souto marcou, numa transição rápida que se iniciou num mau passe de Gimenez. Luís Querido ainda falhou uma grande penalidade antes da ida para os balneários.

Na segunda parte, o OC Barcelos entrou determinado a conseguir reduzir as distâncias no marcador. Num remate forte de longe, Luís Querido fez o 2-1.

O Sporting conseguiu ainda o 3-1, mas o OC Barcelos não desistiu. Tudo começou com o cartão azul dado a Verona por falta sobre Alvarinho. Os visitantes não conseguiram concretizar o livre direto por Gimenez, mas Alvarinho fez pouco depois para 3-2, a apanhar Girão desprevenido junto ao primeiro poste.

O jogo voltou a estar muito partido, com os guarda redes de cada uma das equipas fazerem grandes defesas. Contudo, a enxurraga de golo veio a seguir. Gimenez empatou a partida, novamente de meia distância. Já do outro lado, Perez voltou a colocar os leões em vantagem, a aproveitar uma recarga na área.

Os leões conseguiram distanciar-se no marcador e chegou aos últimos 10′ da partida com três golos de vantagem (6-3). O OC Barcelos não conseguia concretizar e os golos só voltaram a aparecer no último minuto, um para cada lado.

Os leões «lambem as feridas», numa partida em que foi mais eficaz e aproveitou melhor as falhas dos Barcelenses.

A FIGURA

Toni Perez – O stick do espanhol parece que tem íman nas áreas adversárias. Fez um hat-trick, soube “estar no sítio certo à hora certa” e foi mortífero no frente a frente ao guarda redes adversário. O jogador foi absolutamente decisivo na vitória leonina.

O FORA DE JOGO

Estrutura defensiva do OC Barcelos – Os visitantes perderam muitas bolas e permitiram ao Sporting várias transições rápidas e que os leões conseguissem chegar várias vezes com perigo à sua grande área. É verdade que é preciso arriscar para marcar, mas também é preciso manter o equilíbrio.

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

A equipa de Paulo Freitas apostou nas transições rápidas, aproveitando o jogo estar partido e muito dividido. A defesa foi compacta e não deixar os jogadores barcelenses entrarem com a bola na grande área leonina.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Girão (7)

Verona (7)

Henrique Magalhães (7)

João Souto (7)

Nolito (7)

SUPLENTES UTILIZADOS

Zé Diogo Macedo (-)

Platero (6)

Toni Perez (8)

Gonçalo Nunes (6)

Ferran Font (7)

ANÁLISE TÁTICA – OC BARCELOS

A equipa de Rui Neto veio discutir o jogo ao Pavilhão João Rocha. No entanto, a reação à perda de bola e a qualidade do passe estiveram bastante abaixo do esperado e a equipa ficou exposta às transições rápidas do Sporting. No ataque, tentou fazer uso dos remates de meia distância perante a muralha leonina. O treinador preferiu não apostar no 5×4 nos últimos minutos, apesar de o OC Barcelos não conseguir finalizar e encurtar distância para o adversário no resultado.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Conti (7)

Dario Gimenez (6)

Luís Querido (6)

André Centeno (7)

Miguel Rocha (6)

SUBS UTILIZADOS

Joka (-)

Alvarinho (7)

Zé Pedro (6)

Rampulla (6)

Joca Guimarães (6)

Foto de Capa: Sporting CP

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome