Após quatro anos, o mundial de Rugby está de volta. Pela primeira vez este será realizado na Ásia, mais concretamente no Japão. O primeiro jogo da 9ª edição assentou no embate entre a equipa da casa e a Rússia. À entrada para o jogo, ambas as seleções tinham objetivos diferentes. Da parte dos japoneses esperava-se um jogo relativamente fácil, o que acabou por não acontecer. Já os russos tinham o objetivo de equilibrar o jogo ao máximo, sabendo da superioridade da seleção do país do sol nascente.

A primeira parte foi bastante equilibrada. A Rússia ao minuto quatro abriu o marcador através de um ensaio marcado pelo ponta esquerdo Golosnitskiy. O ensaio resultou de um erro de Tupou, que falhou uma receção de um pontapé alto.

As estratégias das duas equipas divergiam em diversos pontos. A equipa da casa apostou num jogo profundo, usando a largura do campo. A equipa do leste da Europa, apresentou um forte jogo de colisão, jogando no perímetro curto, com pouca mobilidade dos avançados. A Rússia também tentou tirar partido das fragilidades apresentadas pelo três de trás japonês no que toca à receção de pontapés altos, através do forte recurso ao jogo ao pé do experiente médio de abertura russo Kushnarev.

Ao minuto 11, o ponta nipónico Matsushima marcou o primeiro ensaio do Japão, assistido por uma excelente execução técnica a uma mão do segundo centro de origem samoana Lafaele.

Anúncio Publicitário

O equilíbrio continuava a verificar-se no jogo até que a dois minutos do fim do primeiro tempo os japoneses dilataram a vantagem. Este surgiu após várias fases á mão dentro da área de 22 metros russa, conseguindo o Japão criar superioridade na zona dos 15 metros, onde afastou a bola até à ponta, onde, mais uma vez, estava Matsushima para marcar. Destaque também para o belo ‘offload’ de Nakamura que isolou o camisola 14 nipónico.

Ao intervalo o marcador mostrava uma vantagem nipónica de 12-7 frente à equipa russa.

Foram os russos os primeiros a marcar
Fonte: Rugby World Cup

Ao contrário dos primeiros 40 minutos, a segunda parte foi melhor gerida pela equipa da casa. Quando o relógio marcava 46 minutos, o flanqueador japonês Labuschagne quebrou a linha da vantagem, fruto de erros defensivos da Rússia, fazendo assim o que seria o terceiro ensaio da sua equipa.

A Rússia ainda teve diversas possibilidades de reduzir a desvantagem, conquistando várias penalidades das quais apenas resultaram três pontos num pontapé aos postes.

Com 68 minutos de jogo, o defesa russo Artemyev, sob pressão japonesa, despachou a bola de qualquer maneira, entregando-a à equipa adversária que aproveitou o mau posicionamento da defesa russa, garantindo assim o ponto bónus ofensivo e o quarto ensaio. O autor foi, pela terceira vez, Matsushima.

O Japão garante assim uma vitória importante, mas com muitas dificuldades perante uma equipa russa que conseguiu aproveitar os pontos fracos japoneses, mas que em momentos chave do jogo perdeu a orientação defensiva.