cab Rugby

O ano de 2013 acabou em grande para o GD Direito. A equipa lusa tornou-se campeã ibérica ao vencer os espanhóis VRAC Valladolid na final da Taça Ibérica realizada no passado sábado, 28 de Dezembro.

A 34ª edição desta prova, que opõe os actuais campeões portugueses e espanhóis, realizou-se em Lisboa, no campo de Monsanto.

O GD Direito já vencia por 24-6 ao intervalo, terminando a partida a vencer por 41-11, com destaque para o atleta Gonçalo Malheiro, que somou um ensaio, duas penalidades e quatro transformações. Luís Sousa, Rui D’Orey, Vasco Fragoso Mendes e Manuel Vilela foram responsáveis pelos restantes ensaios.

jogadores do GD Direito festejam a conquista do trofeu Fonte: jogadadomes.com
jogadores do GD Direito festejam a conquista do trofeu
Fonte: jogadadomes.com

Esta vitória representa o 15º triunfo português nesta prova, sendo a terceira consecutiva do rugby português. O GD Direito traz-nos assim mais uma prova de que o rugby português está cada vez mais forte e mais significativo no panorama mundial.

Anúncio Publicitário

O resultado da partida pode fazer com que se pense que foi uma partida fácil. No entanto, foi um jogo muito disputado, que exigiu persistência e concentração para contornar as dificuldades proporcionadas pela secção de avançados de maior porte dos espanhóis. Os advogados de Martim Aguiar conseguiram assim demonstrar que a sua técnica no jogo foi superior ao peso e à altura dos espanhóis.

Nos últimos anos têm-se ouvido inúmeras críticas relacionadas com a fisionomia dos nossos atletas, desmotivando-os nas competições internacionais. A questão que se impõe é se não terá sido esse aspecto o grande responsável pela evolução da sua técnica e que o tem tornado cada vez mais forte?

Tem-se utilizado o facto de os portugueses não serem tão altos e tão pesados como a maioria dos jogadores das melhores selecções estrangeiras como argumento contra as possibilidades de a equipa portuguesa triunfar nas competições internacionais.

Mas, se analisarmos bem a evolução do rugby português, veremos que foi isso que nos fez apostar na técnica, na velocidade e na concentração que nos têm feito destacar no panorama mundial. Temos no atleta Pedro Leal um exemplo de um jogador de baixa estatura mas que se tem revelado um dos melhores portugueses pela sua técnica e velocidade.

A vitória do seu clube na Taça Ibérica foi, mais uma vez, prova disso. Um jogo que se apresentava muito difícil devido à altura e peso da equipa espanhola (principalmente dos seus pilares) foi vencido pela superioridade a nível técnico demonstrada pela equipa portuguesa.

E é isso que vai continuar a fazer este desporto crescer em Portugal: a utilização das nossas fraquezas para nos tornarmos mais fortes.

Que 2014 seja um ano de rugby de excelência e que Portugal continue a trazer grandes resultados das competições internacionais para que possa ocupar um lugar cada vez maior no mundo do rugby.

Comentários

Artigo anterior2014, e agora?
Próximo artigoSerá desta?
A Sara é apaixonada pela escrita e ligada ao desporto desde sempre. Já praticou futsal. Mais tarde, cruzou-se com o Rugby na sua vida profissional e o bichinho ficou. Gosta de assistir a um bom jogo mas tem especial queda por torneios de Sevens                                                                                                                                                 A Sara não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico..