cab Snooker

Antes de fazer um breve comentário à final do Ruhr Open, quinto evento da série Euro PTC realizado na Alemanha, não poderia deixar de começar este texto para o Bola na Rede com umas luzes sobre o estado do snooker em Portugal e algumas razões para admirar este desporto.

É incontestável a ideia de que em território lusitano todos querem ver o Pauleta e comer um bom Terra Nostra. Já se sabe que “tuga que é tuga” só quer é ver uma bola a passear pelos pés de 22 jogadores. A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aposta totalmente no conforto dos seus jogadores, e mandá-los para hotéis cinco estrelas é uma premissa necessária e óbvia. Enquanto isto acontece, a Federação Portuguesa de Bilhar (FPB) não “precisa” de apostar em técnicos e na sua formação. Não há um único juiz de mesa de snooker em Portugal. Posso pô-lo deste modo: Benfica vs Porto sem árbitros. Isto leva-me a uma questão: como é que um desporto pode evoluir pós-fronteira sem haver as condições necessárias para um jogo “limpo”?

É um cenário bastante infeliz. O número de bons jogadores portugueses ronda “os muitos” e as oportunidades para se testarem face à elite, em Inglaterra, é mínima.

Não percebo o não investimento numa modalidade em que é requerida tanta técnica e concentração. O som de uma respiração mais profunda de um membro do público pode fazer a diferença entre uma ida à final e a possibilidade de ganhar 250 mil libras e a de ganhar 4,6 mil libras. O facto de a bola branca ter restos de giz da tacada anterior, feita pelo adversário, pode levar a que o efeito pretendido pelo outro jogador não serja conseguido, consequentemente levando a bola de cor a saltar para fora da mesa. São pequenos grandes pormenores como estes que me fazem levar para a frente da televisão uma taça de cereais e passar ali horas, a ver e a aprender; a perceber o que se passa na cabeça dos jogadores e a tentar adivinhar a próxima jogada.

Anúncio Publicitário

Com isto, gostava de ver jogadores nacionais a representarem Portugal na Eurosport, mas, sem um sério investimento, veremos sempre o Ronnie O’Sullivan a mostrar como é que se faz para ser uma lenda.

Foi a primeira vez que a cidade de Mulheim, na Alemanha, viu um campeonato de snooker. Um PTC ganho por Mark Allen. Ding Junhui viu o seu adversário ganhar 4-1 à melhor de 7. O Ruhr Open teve como surpresa o número 75 do ranking, Robbie Williams, chegar às semifinais. O próximo evento é o Kay Suzanne Memorial Cup em Gloucester, Inglaterra, que ocorrerá em Novembro do dia 7 até ao dia 10 .

Comentários

Artigo anteriorE a luta entre os grandes começa…
Próximo artigoA classe é permanente
A Cátia está habituada a que façam piadas com o seu nome. Aos 14 anos comprou uma égua lusitana com o dinheiro que poupou durante 3 anos. Agora consegue pôr a família toda a ver snooker. Já tentou ir duas vezes a Inglaterra ver o campeonato do mundo mas "é mais fácil receber uma carta para Hogwarts" do que arranjar bilhetes.                                                                                                                                                 A Cátia escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.