cab Snooker

“Tentativa falhada de ir ao Mundial de Snooker II” teria sentido ser o título, se realmente já tivesse escrito a tentativa I. A verdade é que ambas aconteceram e tenho expressar esta qualquer-coisa como raiva. Preciso de alguma ajuda, principalmente psicológica. Também teria mais sentido publicar hoje um texto sobre a vitória de Ronnie O’Sullivan ou a derrota de Stuart Bingham, dependendo da perspectiva, no 888Casino Champion of Champions, ou as cinquenta entradas superiores a 100 pts de Neil Robertson esta temporada. Mais uma vez, esta situação afectou-me tanto que tenho de diluir estes ataques nervosos de alguma maneira.

Dia 19 de Dezembro de 2012 de manhã, o meu telemóvel toca e, como sempre, assusto-me. É um toque um pouco agressivo, mas que me impede certamente de falhar uma chamada tão importante como esta. A minha tia estava do outro lado da chamada com a notícia de que o meu tio tinha adorado a ideia de irmos os dois a Sheffield ver a final do World Championship, em Maio de 2013. «Trata dos bilhetes para o Crucible Theatre, que o tio trata do resto». Isto faz o dia de qualquer pessoa! Um pouco de ansiedade ao ligar o computador, visto que este dinossauro não é dos mais rápidos do mercado, e fui logo ao site, já com tudo pronto para fazer uma reserva, quando vi que os bilhetes não estavam disponíveis. Não será preciso dizer o que aconteceu depois.
«Tenho de tratar disto com mais antecedência».

Anúncio Publicitário

24 de Novembro de 2013 foi a tentativa falhada II. Começámos a planear esta viagem em Setembro. Troca de mails, muitas páginas de hotéis visitadas, até que os bilhetes para a final voltam a estar indisponíveis. O meu tio pôs os seus contactos a funcionar e mesmo assim não lhe garantiram bilhetes. «Podemos reservar já os quartos de hotel e os bilhetes de avião e fazer uma pré-reserva da última sessão, mas nada é garantido».

Será que é uma vontade assim tão megalómana? Está na minha lista de desejos e garanto que, se não tiver um lugar reservado no campeonato de 2015, haverá revolução. Começa a ser minha convicção de que é mais provável receber a minha carta de Hogwarts (que há tanto tempo espero) do que conseguir ver arte numa mesa de snooker em Inglaterra. Fica aqui o meu apelo à International Billiards and Snooker Federation.