cab Surf

Chegadas as festas, todos os surfistas do WCT se encontram nas suas terras natais para desfrutar do ambiente natalício com as suas famílias e amigos. Mick Fanning, o novo campeão mundial, é o surfista a que se deve o maior destaque. Assim que Fanning chegou a casa foi surfar à sua praia de sempre, Snapper Rocks. Mas o que ele não sabia é que tinha uma multidão na praia à sua espera.

No meio de autógrafos e fotografias, Fanning disse ainda à ASP que ainda está “sem palavras, a absorver tudo com calma, junto das pessoas mais próximas”. O campeão mundial disse ainda que alguns surfistas que já se destacam na atualidade vão estar ainda mais fortes no ano de 2014, tais como John John Florence, Owen Wright, Julian Wilson e Jordy Smith.

Fanning soma assim 3 títulos mundiais, tal como Andy Irons e Tom Curren. É importante frisar que o surfista australiano é um exemplo para qualquer atleta, devido à sua competência, atitude e foco nos treinos.

Mick Fanning com o título de campeão mundial. www.Surftotal.com
Mick Fanning com o título de campeão mundial.
Fonte: .Surftotal.com

Já em Portugal o cenário é outro.

Anúncio Publicitário

No início desta semana realizou-se a última etapa do circuito regional do Algarve. Com ondas a rondar o metro e meio, as condições eram perfeitas para os vários surfistas que ocupavam a Praia da Rocha. Marlon Lipke, Pedro Henrique, Miguel Mouzinho, Joaquim Guichard e Eduardo Fernandes foram os nomes que deram o toque especial à prova. Marlon Lipke e Mouzinho protagonizaram o heat do dia, uma vez que a disputa foi bastante renhida. Marlon acabou por sair vencedor, demonstrando assim que quer voltar ao WCT.

Outros surfistas que se destacaram foram Francisco Duarte, Guilherme Ribeiro e Yolanda Sequeira-Hopkins, que se tornaram campeões regionais de sub-16, sub 14, sub 12 e feminino, respectivamente.

www.Surftotal.com
Fonte: Surftotal.com

Comentários

Artigo anterior“Sociedad” basca
Próximo artigoO regresso dos coreanos
O Jóni é um jovem surfista que começou a praticar surf há 5 anos e, desde então, nunca mais parou. Mesmo quando as ondas estão pequenas, a "pica" é tanta que acaba sempre por entrar só para colocar a "prancha no pé".                                                                                                                                                 O Jóni não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.