Alexander Zverev conquistou este domingo o título mais importante da sua ainda curta carreira ao derrotar, na final, o número um mundial: Novak Djokovic.

Durante a semana, Djokovic apresentou-se com um nível estratosférico, vencendo facilmente todos os seus adversários sem ceder qualquer set, incluindo ao próprio Zverev, que havia derrotado facilmente quatro dias antes. 

O torneio, que reúne os oito melhores tenistas do ranking mundial, este ano não contou com a presença de Rafael Nadal e de Del Potro, nº 2 e nº 4 do mundo, respetivamente. Estes encontram-se a recuperar de lesões e, por isso, viram-se obrigados a desistir, dando lugar a Kei Nishikori e a John Isner.

No Grupo Guga Kuerten ficaram Novak Djokovic, Alexander Zverev, Marin Cilic e John Isner, tendo o sérvio vencido facilmente o grupo ao derrotar todos os seus oponentes sem perder qualquer set, marcando lugar nas meias-finais. Alexander Zverev venceu Cilic e Isner, garantindo assim o segundo lugar do grupo e a consequente passagem às meias-finais. No duelo de gigantes, Cilic derrotou Isner, ficando com o 3º posto do grupo. O norte-americano saiu de Londres com três derrotas em três encontros.

O grupo Lleyton Hewiit foi constituído por Roger Federer, Kevin Anderson, Dominic Thiem e Kei Nishikori. Roger Federer entrou com uma derrota frente a Kei Nishikori, mas posteriormente venceu Anderson e Thiem, confirmando o estatuto de principal favorito. O seu grupo terminou no primeiro posto. Na segunda posição do grupo ficou Kevin Anderson, que perdeu apenas para Federer, tendo vencido confortavelmente Nishikori e Thiem. Apesar da grande vitória sobre Federer, Nishikori não foi capaz de dar seguimento ao excelente nível de ténis apresentado frente ao suíço e acabou por ser “presa” fácil, tanto para Anderson, como para Thiem, o que fez co que o japonês ocupasse o quarto posto do grupo, atrás de Thiem.

Os oito tenistas presentes em Londres
Fonte: ATP World Tour

Nas meias-finais, Roger Federer encarou Alexander Zverev num confronto de gerações de onde o alemão saiu vitorioso. Zverev impôs-se em dois sets, com os parciais de 7-5, 7-6(5) e alguma polémica à mistura. Zverev foi apupado pelo público londrino por ter parado uma jogada em que Federer se encontrava claramente por cima no ponto na fase final do encontro. Esta jogada veio-se a revelar decisiva, mas o alemão limitou-se a fazer aquilo que as regras mandam – um apanha bolas deixou cair uma bola, o que implica a repetição do ponto.

Na outra meia-final, Djokovic cilindrou Kevin Anderson por duplo 6-2 e carimbou o passaporte para a sua sétima final de um ATP Finals, com hipótese de igualar o recorde de seis títulos na posse de Federer.

Na final, Djokovic partia como claro favorito à vitória, quer pelo historial na prova, quer pelo nível apresentado durante toda a semana, sendo muitas vezes apelidado de “invencível”. Contudo, o que à partida poderia parecer favas contadas para o sérvio, tornar-se-ia um pesadelo. Djokovic apresentou-se a um nível inferior em relação ao demonstrado durante toda a semana e Zverev apresentou-se a grande nível. Ao contrário do que aconteceu quatro dias antes, apresentou soluções para todo o jogo de Djokovic. O alemão quebrou o sérvio por quatro vezes durante o encontro, tendo vencido por 6-4, 6-3.

Com esta vitória, Zverev conquista o seu décimo título na carreira e mostra o porquê de ser considerado a maior promessa da denominada “Next Gen”. Na próxima atualização do ranking, Zverev vai surgir no 4º posto do ranking mundial, ficando apenas a uma posição do seu melhor ranking de sempre – o 3º lugar. 

Novak Djokovic despede-se de 2018 com um sentimento agridoce, tendo falhado a conquista dos dois últimos torneios (ATP Masters 1000 de Paris e ATP Finals) ao ser derrotado, em ambos, na final. Porém, depois de um início de ano para esquecer, Djokovic voltou a encontrar o seu melhor ténis, tendo conquistado dois Grand Slams e dois ATP Masters 1000, para além de ter alcançado o seu maior objetivo: a recuperação do 1º lugar do ranking mundial.

Texto revisto por: Mariana Coelho

Foto de Capa: ATP World Tour

Comentários